TRANSLATOR( BLOG OR POST)

27 de fev de 2009

Para ver

Intenso, sensível, forte e emocionante. Um faroeste como você nunca viu. É este filme que eu recomendo. Paisagens deslumbrantes. Fotografia sem nenhum senão.

Atenção especial para o desempenho das meninas. Cate Blanchet dispensa comentários.

Para quem gosta de livros na telinha(e-book), totalmente de graça, o caminho é http://www.livrosparatodos.net/ . Clique no link do seu estilo preferido, faça o download(zip, rapidinho) e boa leitura!

26 de fev de 2009

Quem pode sacar o FGTS

Todos os que moram ou moravam nessas ruas em Florianópolis, Santa Catarina, por ocasião do desastre causado pelas chuvas em 2008, poderão solicitar o saque das suas reservas de FGTS.

Confira a relação de áreas afetadas.

Nos demais municípios é preciso consultar a prefeitura ou a CEF/Banco do Brasil.

25 de fev de 2009

Dicionário Esperto(que está longe)

ABAIXO - letra A com pouca altura
ABREVIATURA - ato de se abrir um carro de policia
ABSURDO - diz-se do surdo que escuta com perfeição
ADVERSÁRIO - dia de nascimento do fanho
AGREGADOR - dor contraída na Grécia
AÇUCAREIRO - revendedor de açúcar que vende acima da tabela
ALOPATIA - dar um telefonema para a tia
AMADOR - o mesmo que masoquista
BACANAL - reunião de bacanas
BANALIDADE - faixa de idade onde os comportamentos são banais
BARBICHA - boteco das desvairadas
BUCÓLICA - cólica Bucal
CAATINGA - cheeiro ruuim
CADEADO - a mãe do Ado procurando-o
CÁLICE - ordem para ficar calado
CALIGRAFIA - grafia usada em Cali
CAMINHÃO - estrada muito grande
CANGURU - líder espiritual de cachorros
CATALOGO - ato de se apanhar coisas rapidamente
COMPROMISSO - diz-se daquele que é comprado para ficar omisso
COMPULSÃO - qualquer animal com pulso grande
DEPRESSÃO - espécie de panela angustiante
DESCOBRIR - ato de cobrir dez pessoas
DESTILADO - aquilo que não está do lado de lá
DETERGENTE - ato de prender indivíduos suspeitos
DETERMINA - prender uma moça
EFICIÊNCIA - estudo científico das propriedades fonéticas do F
ESFERA - animal feroz amansado
EVENTO - constatação de que realmente é vento, não floração
EXÓTICO - algo que deixou de ser ótico, passou a ser olfativo ou auditivo, por exemplo
FLUXOGRAMA - direção em que cresce o capim
FORNECEDOR - empresário dedicado ao ramo de encantar os masoquistas
GENITÁLIA - órgão reprodutor dos italianos
HALOGÊNIO - cumprimento dado a pessoas de QI muito elevado
HEMATOMA - ato de insistir com a Ema para ela tomar
HOMOSSEXUAL - Sabão utilizado para lavar as partes íntimas
INSPEÇÃO - pesquisa detalhada em peça muito grande
LEILÃO - Leila com mais de 2 metros de altura
JURISPRUDENTE - diz-se do grupo de jurados que declara inocente o filho do bicheiro que, em legitima defesa da honra e apenasmente embriagado, bombardeou o asilo de velhinhos cegos de Nossa Senhora do Amparo
KARMA - expressão mineira para evitar o pânico
LÁ - a mais longínqua das notas musicais
LOCADORA - uma mulher maluca de nome Dora
MEDÍOCRE - ato de se medir a intensidade da cor ocre
MICROCOMPUTADOR - anão com cólica renal
NOVAMENTE - diz-se de indivíduos que renovam sua maneira de pensar
OBSCURO - OB na cor preta
PARALÍTICO - período da Terra em que nada se movia
PATOGÊNICO - pato que sai bem em fotografia
PATOLÓGICO - pato racional
PRESERVATIVO - produto utilizado para preservar ativo quem o utiliza
PSICOPATA - veterinário especialista em doenças mentais de patas
QUARTZO - partze ou aposentzo de um apartamentzo
RAZÃO - lago muito extenso porém pouco profundo
RODAPÉ - aquele que tinha carro mas agora roda a pé
SAARA - muulher do Jaacó
SEXÓLOGO - sexo apressado
SIMPATIA - concordância com a irmã da mãe
SOSSEGA - pessoa informando que é desprovida de visão
TALENTO - característica de algo ou alguém devagar
TERAPIA - ser possuidor de recipiente próprio para lavagem de louça
TÍPICA - o que o mosquito nos faz
TRIGAL - cantora baiana elevada ao cubo
UNÇÃO - erro de concordância muito frequente (o correto seria um "é")
UTOPIA - lavatório imaginário, inventado pelo sanitarista inglês Thomas Morus
VATAPÁ - ordem dada por prefeito de cidade esburacada
VIDENTE - dentista falando sobre seu trabalho
VIÚVA - ato de ver uva
VOLÁTIL - sobrinho avisando aonde vai
ZUNZUNZUM - na Fórmula 1, momento em que o espectador percebe que os três lideres da prova acabaram de passar na sua frente
ZOOLÓGICO - reunião de animais racionais

Que mais se pode postar numa quarta-feira de cinzas e chuva, enquanto se espirra por conta do recuo da temperatura em mais de 10 graus?

23 de fev de 2009

Clube dos voinhos babões

João Luiz, um amigo que mal se aguenta de ansiedade,

avisa que chegou a netinha Carolina.

Que seja muito, muito feliz e que que espalhe alegrias por onde passe.

19 de fev de 2009

Desculpa o desânimo


Eu tô dodói!
Criança chora, cachorro se coça e fica pedindo colo. Aí a gente espia na orelha e descobre uma otite pré- carnavalesca.

18 de fev de 2009

Para ganhar dindim

O cara é sério, tem um site sério e ensina a ganhar dinheiro na web. A história dele é genial.

O que você precisa antes de mais nada é ler as dicas dele, que estão à direita da tela. Não faz mal ler as postagens, que sugerem e esclarecem.

Nos tempos em que todo mundo só fala de crise, bom tentar algumas saídas criativas. Ou seriam entradas? Bem, são cliques. Cada clique conta.

Difícil é sair do site.

16 de fev de 2009

A Crueldade da Economia de Migalhas


Então ele terminou. Já vai tarde! Até o próximo Outubro, quando essa insanidade retornará, com certeza.

Que idiotice preenche cérebros humanos, para que só encontrem como saída para a economia de energia, adiantar uma hora do relógio?(Na Argentina a diferença é de duas horas. Lembre disso quando chegar ao final do texto.)

Não estranhem que uma pessoa que não se deixa governar por relógios reclame assim tão fortemente. Confesso que nem queria cair nessa mesmice que lota blogues todos os anos a reclamar desse burro horário de verão. Mas vi, além de pessoas-zumbi, apetite alterado e humor irreconhecível, uma reportagem que me deixou com coceira nos dentes.

Era o primeiro dia de aula na escolinha. Cidade de São Paulo. Os pequenos chegavam emburrados, cabeça baixa, firmavam a mão na saia da mãe ou na mão do papai. Normal, pensei. Primeiro dia de aula. Primeira série e jardim de infância depois de férias com aquela alegria toda.Ter que se enquadrar e sentar em salas por algumas horas deve parecer um terrível castigo. Medo do abandono.

As professoras/tias cheias de abraços e sorrisos não venciam aqueles olhinhos desconfiados, que pareciam contradizer a dinâmica desses encontros. Alguns chegavam nos carrinhos, dormindo ainda. Outros eram carregados no colo e depositados dentro do pátio, bem pertinho das moças ou até no colo delas.

Tinha alguma coisa errada!

A mãe esclareceu, cheia de orgulho por ver seu pimpolho fazer parte do rebanho, com uniforme novo:
-Ele estava tão entusiasmado pelo começo das aulas! Difícil foi botá-lo para dormir, uma hora antes, há uma semana e acordá-lo às quatro e meia para tomar banho, comer o lanchinho e sair.

Vou repetir :"...acordá-lo às quatro e meia..."

Ora, faça-me o favor!!!! Onde estão psicólogos, médicos e pedagogos desse país?

13 de fev de 2009

Sempre me cabe um novato!


Assim que enfiei o meu calor de meio-dia a 32 graus porta adentro, vi um amontoado de homens em torno de uma telinha de computador. Bem arranjada, agora. Ter que me intrometer em alguma cena erótica para me anunciar.

A moça interrompeu meus passos e salvou minha pose de madame encalorada, em cima de saltos e de vestido colorido pelas canelas, apesar do calor e mostrou o rapaz que seria o vendedor. Qual o quê? Bonito assim? Que pelo menos seja eficiente.

Ai, ai, ai! Tão logo dei a ele quarenta e cinco minutos para me mostrar e vender um carro, antes de cumprir meu horário com a dentista, percebi onde havia me metido. Saímos da recepção e andamos, andamos e andamos. Atravessamos a loja inteirinha. E eu gemendo por dentro. Torcendo para que ele não fosse o dono da última mesa. Não sei se vocês sabem, mas o vendedor mais novinho, com menos experiência, sempre ocupa a última mesa.

Era. Depois da mesa dele uma vazia, esperando um desempregado.
A caminho da mesa fomos nos testando. Ele a desfiar aquela conversa de marqueteiro de rua e eu a demonstrar que não era do clube das desinformadas, só perguntando:
-
E quanto faz por quilômetro?
- Não, moço, nunca deixar o tanque abaixo da metade, que é isso?
-São 8 ou 16 válvulas?
-Quantas libras nos pneus?
-Capacidade do porta-malas?
-Tem ar quente?
-O motor é 1.6?
-A potência reduz em quanto com ar-condicionado?
-Os tapetes de graça, com certeza?
-Entrega em quanto tempo?
-Regulagem dos bancos? Do volante?
-Cadê a antena?
-Transfere o som do carro velho?
-Não, o motor é de gasolina, adaptado!

Ele arregalando os olhos, nem acreditando que não precisaria fazer força para me convencer. Eu já sabia meu limite e o carro que queria, só faltava a cor, que faria uma diferença de centenas de reais. Há uma mania no Brasil, em geral, e em Floripa em especial, de dar preferência à cor prata, sob a imbatível idéia de que é mais fácil manter, mais resistente à maresia e outros quetais.

Ele derrubando meus argumentos, querendo que eu levasse o branco:
- Repare neste detalhe e no outro e isto e aquilo. Vai ficar muito elegante nesse carro. Lindo com película! Fácil de conservar, eu garanto, meu carro é branco e já fui lavador de carros!

Conversa vai e vem, eu puxando para o que interessa na hora da compra. Chegamos a um acordo sobre o valor e prazo de pagamento. Um velho conhecido da loja, enquanto isso, olhava com lupa meu velho(nem tanto!) Raio de Prata, guerreiro bem conservado, mas precisando mudar de ares. Desta vez ele se deixou levar pela aparência exterior. Do carro.

Lição aprendida para a próxima troca. A primeira pergunta ao encarar o vendedor:
-Há quanto tempo você trabalha aqui?

Depois e só depois, ouvir qualquer coisa que venha de um rapaz que está fazendo a maior força para se sair bem e mostrar serviço aos chefes. Um sujeito que não só sabe usar a palavra, mas o sorriso na hora certa e, apesar dos exageros para espalhar seus saberes sobre carros, compreendeu rapidinho, que não deveria forçar demais para não perder a chance.

Sabe como é, mulher independente e sem meias-palavras. Não me custa nada dar até-logo e fazer meia volta, se o cara ficar chato e não me vender o que vim comprar, exatamente na cor que eu quero.

Ah, sim! O rapaz vai longe. E eu irei longe também. De carro branco.

12 de fev de 2009

Para um bom entendedor muitas palavras atrapalham


Este trecho, de autoria da professora de retórica de Berkeley, Sra. Judith Butler, ganhou, em 1998, o prêmio no Concurso Texto Ruim:

A passagem de uma interpretação estruturalista na qual o capital é visto como estruturador das relações sociais de modos relativamente homólogos para uma visão da hegemonia na qual as relações de poder estão sujeitas a repetição, convergência e rearticulação, suscitou a questão da temporalidade para o pensamento da estrutura e marcou uma mudança de uma forma de teoria althusseriana que considera as totalidades estruturais como objetos teóricos para outra na qual os insights sobre a possibilidade contingente de estrutura inauguram uma concepção renovada de hegemonia, vinculada aos locais e estratégias contingentes da rearticulação de poder.”

Segue aí para quem quiser tentar traduzir. Particularmente, acho que ela deveria ser afastada da Universidade e proibida de escrever pelo resto de seus dias.

Dedico o trecho aos que escrevem(em blogues, inclusive) e falam difícil para se fazerem de importantes, intelectuais ou superiores, sem desconfiar que a grandeza está na simplicidade.
O trecho foi citado no livro Tábula Rasa, de Steven Pinker, no mínimo desafiador e que mexe com conceitos de uma forma muitíssimo inteligente e até divertida.

A fotografia veio deste site. Merece uma visita. De pais, alunos e professores.

10 de fev de 2009

Os Esquecidos

O que você sabe sobre o Sri Lanka?

A mídia escolhe o que divulgar, mas você pode forçar um pouco e fazer isto aparecer.

9 de fev de 2009

Atenção pessoas gaúchas e visitantes

Ele consegue manter a atenção até o final de qualquer história. Vale visitar o blog, viu? Perfeito para segundas-feiras, mas é de rir a semana toda. Ou filosofar...

Para quem mora em Porto Alegre, ou estiver na cidade no dia 22 de março, olha a pedida do dia:
vá ver isto!

Aproveite o clique e leia os causos desse moço. Recomendo com estrelinhas.

8 de fev de 2009

Ensinando a gritar

Alguém precisa abrir uma escola como essa aqui por perto.

Confesso que fiquei um pouco agoniada, cheia de vontade de tirar o pequeno. Mas veja como ele se vira sozinho.

Dica enviada por CAP , que esteve sumido, escondido da neve.

5 de fev de 2009

Boca doce

É comum quando gostamos de pássaros, especialmente beija-flores, dar-lhes água com açúcar em bebedouros. ISSO MATA O BICHINHO.

O açúcar em contato com a água forma um fungo que traz doença semelhante ao câncer, no biquinho do beija- flor. A saída é comprar as bebidas especiais que são vendidas nos supermercados e pet shops e que já vem adoçados sem adição de açúcar, garantindo, desta forma, a saúde do bichinho! O pacote custa muito pouco e dura 2 ou 3 semanas dependendo da quantidade de bebedouros que você tiver.

Além do mais você pode deixar a solução lá por 5 dias sem problemas, enquanto que a água com açúcar tem que ser trocada diariamente, e o bebedouro deve ser desinfetado com água fervente e muito bem limpo para não matar o beija- flor.

O mais impressionante é que (quase) ninguém sabe disso. Então, por favor, divulguem a informação, pois é muito triste sabermos que as pessoas que gostam de cuidar dos beija-flores podem acabar provocando sua morte e nunca vão saber que eles morreram com o "veneno" que lhes demos com tanta boa vontade.
O melhor é cultivar flores que eles apreciem. Camarão amarelo é ótimo. Fácil de cuidar e é lindo. Cabe em qualquer cantinho, em vaso ou no chão. Basta enterrar um galho e vira muda.
Os beija-flores aparecerão logo que surgirem as primeiras flores. Experimente.
Há uma espécie de camarão de cor vermelha. É bonita também, mas não tem néctar e não atrai os passarinhos.
A dica foi enviada por Lê. A sugestão do camarão é minha. A foto do beija-flor é do baixaki.com.br. A do camarão é do jardineiro, que tem tudo sobre flores.

2 de fev de 2009

Dialógos inusitados, mas nem tanto

- Pai, você viu a multidão que veio se despedir de mim?
- Filho, eles vieram dar boas vindas ao Obama.
- Pai, você acha que eles viriam aqui com esse frio pra ver uma pessoa que eles vão ver todos os dias nos próximos 4 ou 8 anos?
- Filho, ele é o novo presidente.
- É, mas teve gente chorando e pedindo para eu ficar.
-Sim, filho, o presidente do Iraque, que você nomeou, pediu para você não ir embora.
Ele se serve de uma bebida.
- Pai, agora posso voltar a beber.
- Pelas decisões que você tomou ultimamente achei que nunca tivesse parado.

Isso eu ouvi o Schwartmann contando* na Band News e ele jura que quem contou a ele(Carlos Eduardo Novaes) estava no helicóptero a caminho do Texas.

*Estou relatando de memória.

(Deveria aparecer a cara do babaca, mas eu jurei que jamais a cara dele entraria no meu espaço. Pelo menos não antes de ir para a corte de Haia e ser julgado por crimes contra a humanidade.)