TRANSLATOR( BLOG OR POST)

31 de out de 2007

Da Série "A cara de uma é o focinho da outra!"

Mesmo que você não acredite em Adão e Eva, em um primeiro casal, ou que todos descendemos de alguns cruzamentos acontecidos nos matinhos e cavernas da África ou da Ásia, uma coisa é incontestável: tem que haver alguma razão para duas pessoas serem tão parecidas.

Não é verdade que temos essa mania de comparar? Olha elas aqui, ó!

Maria Padilha

A americana é charmosa e tudo mais, mas pelos meus olhos a brasileira é muito mais bonita! Rene Russo

Para saber mais sobre Maria Padilha Gonçalves

Para ler a biografia de Rene Russo

30 de out de 2007

Tributo a um cão

Ver que está muito doente e esconder a lágrima.
Brincar com ele e esconder a lágrima.
Ouvir a notícia e esconder a lágrima.
Avisar o filho e esconder a lágrima.
Mandar mensagem perguntando como está e chorar pequenininho.
Ligar para saber se estarão em casa e chorar sufocadinho.
Falar sobre a situação e chorar só um pouquinho.
Ver que piorou e chorar escondidinho.
Lembrar que ele sempre me recebia com festa e chorar mais que um pouquinho.
Lembrar da alegria dele ao ver meu filho e chorar mais um pouquinho.
Voltar a vê-lo ainda pior e não conter mais o choro.
Abraçar a irmã e deixá-la soluçar no seu ombro a decisão caridosa e chorar grandão.
Abraçar o sobrinho que se despediu dele com um repetido e já saudoso carinho e chorar mais um tantão.
Ter consciência de que a esta hora ele está recebendo um remédio final para abreviar sua dor e chorar, chorar, chorar.

Seja bem recebido no céu dos bichos, Lepton!

(Quem me viu chorando ao lado de meu carro batido imaginou que eu lamentasse por um pedaço de lata amassado.)

29 de out de 2007

Quem Teve a Honra

Entre nesse site e descubra quem teve a honra de nascer no mesmo dia que você. Alguns tiveram a infeliz idéia de apagar nesse mesmo dia, veja só!

Tem mais uma porção de links e informações que não vão mudar sua vida, mas podem acrescentar alguma coisa àquilo que você já sabia.

A dica veio de Jefferson, meu assuntado cunhado.

Ah, pessoas, depois de dois temporais no final de semana, com direito a ser acordada nesta manhã com raios e trovões, vocês queriam o quê? (E a preguiça?)


Não, não me escondi embaixo da cama, mas fiz um tremendo esforço para confiar no "pára-rais" que circunda este prédio.

Para saber mais sobre pára-raios .

A figura veio do site da USP . Uma aula!

26 de out de 2007

Antes de dormir


Aqui você tira dúvidas sobre o colchão ideal.

Aqui você encontra acessórios fantásticos, desenvolvidos a partir de pesquisas da NASA, ecológicos(espuma visco-elástica produzida à base de água e sem CFC), com baixa resiliência*. Empresa catarinense, o que muito me orgulha. Espalhada pelo país. No site você vê os produtos e encontra pontos de venda.

Se colchão e manta derem a mesma sensação que o apoio para pescoço, ai, meu Zeus! Que eu nunca mais vou querer sair da cama se tiver um! Papai Noel, psiu!


* Em resumo e sem precisar fazer curso de física, resiliência é o movimento de retorno dos materiais à forma original. O colchão, a manta, o travesseiro, os assentos, por exemplo, têm memória do seu formato original e não deformam com o uso. Baixa resiliência significa que você não vai sentir pressão de baixo para cima o que evitará tensão muscular.

A foto veio deste site

25 de out de 2007

Desafiando os venenos


Tive a sorte de morar no interior, onde e no tempo em que se podia colher a qualquer hora tomates maduros do pé, passar uma agüinha e devorá-los com muita vontade. Puros ou cortados ao meio e salpicados com sal ou açúcar. De babar!Agrotóxicos? Nem se ouvia falar!

Depois de passar anos comendo esse pomodoro(fruta de ouro) em restaurantes, bandejão e mesmo em casa, descubro que havia e há alguns riscos naquela salada bem temperadinha, de preferência com um balsâmico:

Primeiro: só se deve consumir tomates bem maduros. Se não forem podem ser prejudiciais para o fígado, rins, coração e provocam prisão de ventre. Tomates meio verdes são prejudiciais para quem tem reumatismo, hidropisia, afecções nervosas, artrite.

Segundo: jamais usar vinagre como tempero. Nem mesmo suco de limão. O ácido oxálico do tomate combinado com outro produto ácido, resulta em produto tóxico.
Terceiro: pessoas que têm fermentações estomacais(acidez excessiva) devem evitar o tomate.
Parece que eu sobrevivi a mais essas, mas daqui por diante...
Fonte: As Hortaliças na Medicina Doméstica, Professor Alfons Balbach- Editora EDEL
A foto veio deste site

24 de out de 2007

Uma besteirinha de nada

Primeiro ele trocou o horário sem eu pedir. Antes do dia 14. Aí, para não me perder na hora de dar comida para esses quatro bocas-de-caçapa que eu tenho em casa, cliquei e ajustei. Tá pensando o quê? Que já se manda?

Aí chegou o dia 14. Dia de horário ecológico(pfff!). Bom, agora vamos andar com os ponteiros.

Então hoje eu sento para mandar, cedinho, uma mensagem para uma irmã que emplaca mais um e fico assim à toa, usando e abusando do tempo a mais. Coisa boa, sobra tempo antes de ir para o centro. Sento. Levanto, espio o tempo, xingo a barulheira de carregadores de areia e caminhões de construção, sento de novo, rio com as piadinhas do dia, visito amigos de além-mar e quase me convenço de que lenvantar mais cedo é até interessante.

Mas peraí! Se eu dei comida para os gatos às 10:30 e já estou sentada há um tempão, como é que agora são 10:30 de novo!

Pois é. E ainda acharam graça quando eu respondi que o homem mais poderoso do mundo é Bill Gates. Sorte minha ainda ter um velho Cardin na gaveta do criado mudo.

Então é assim: tenho que sentir fome em exatos trinta minutos, que é para dar tempo de arrumar tudo e zarpar para o centro, onde me espera uma gentil mas impiedosa podóloga. E vai chover, que dúvida!

22 de out de 2007

Para quem não escolhe alvos

PRÓLOGO

No início da semana passada recebi duas mensagens, que têm tudo a ver uma com a outra.

Uma delas falava de um senhor cheio de marcas de sol e do tempo vivido, que agradecia por tudo o que tinha. Pouquíssimo. Antes tinha menos que isso. Mas agradecia. Principalmente por não passar mais sede há 8 anos, que é o tempo que faz que passou por onde ele mora alguém ensinando como construir reservatórios para a água colhida do sereno e do milagre da rara, muito rara chuva.

Taí o "Seu" Alcides! Com 85 anos consegue plantar e colher. Cuida de vacas e cabras. Distribui o que não consome.

A outra pretendia convencer a quem lesse, a desacreditar as organizações desatreladas de governos(ONGs ou entidades mundiais), que levam um pouco de informação, alimentos, cuidados com saúde, educação, nutrição, aproveitamento de alimentos, uso dos recursos naturais, construção de casinhas com outro material que não seja o barro, brincadeiras com crianças, proteção contra abusos infantis, para afastar as crianças da morte certa ou de desgraça por toda a vida. Porque elas teriam comprometimento e interesses políticos.

Essas duas mensagens cruzaram comigo quando eu passeava os dedos pelo teclado para acompanhar aquela foto de minha turminha de Jardim de Infância.

Lá, eu dizia, trataria de um assunto quando estivesse com a alma mais leve. Eu estava sombria por conta desses dois textos. Incomodada e decepcionada, para dizer o mínimo.

Vou poupar meus fiéis e corajosos leitores (e os ocasionais também) de lerem os dois textos na íntegra, mas para os que quiserem conhecer o que me levou a escrever o que segue, informem seu e-mail através do meu, que consta do perfil, que eu enviá-los-ei e, assim, poderão avaliar se eu extrapolei.

Em tempo, aos que ainda se espantam com a extensão dos meus textos: eu não sou sintética. Eu sou natural!


UMA TRISTEZA SEM FIM
(ou "Enquanto você engorda e dorme feliz")

Ah, isso é muito triste! É julgar o todo pela unidade!

Evidente que onde há interesses comerciais há algum nível de desvirtuamento. É evidente que há interesses estrangeiros na exploração da Amazônia, interesses com diversos sotaques na obtenção de recursos desviados, no mau uso dos recursos.


Por que desfazer o trabalho daqueles voluntários todos? Alguns que já tiveram mais de 30 ataques de malária só para garantir que os índios não fossem assassinados por fazendeiros. Por que desconhecer a generosidade daqueles médicos abnegados, que não se importam com salário, e vão vacinar os índios contra as doenças que o branco lhes deu; aqueles professores que sabem pouco, mas que vão às comunidades do interior do Norte e Nordeste, debaixo de sol, sem calçado; os que atravessam o sertão ou rios perigosos, para ensinar meia dúzia de crianças, que aprendem abrigados do sol apenas por lâminas de compensado?

Eu fico muito triste quando vejo artigos tão tendenciosos e cegos, míopes por interesse!

Também sou contra a catequização, o emburreccimento dos caboclos por força de seu isolamento; a privação de cidadania dos índios, que é para mantê-los subjugados, alienados, submetidos à humilhação; tudo isso que os força a virem para as cidades mendigarem.

Também sou contra o isolamento e o abandono de todos os que padecem de sede e fome no norte e nordeste do país, ou até no sul e sudeste, que é rico, mas impiedoso com os pobres.

Em qualquer organização existe o risco de corrupção. É a sina de um país onde sempre imperou a lei do mais forte. Morreremos sem ver igualdade social. Mas por que desfazer do trabalho daqueles que protegem a infância contra a exploração sexual; que garantem vacinas a todos; que alimentam crianças de 6 e até 7 anos que pesam 5 quilos; que levam um pouco de alegria a esses infelizes, que vão morrer antes dos 15 anos. De inanição, de subnutrição, de febres, de doenças, de descaso.

Por que desfazer da criatividade de voluntários brasileiros e estrangeiros, que ensinam a guardar água do sereno e da miserenta chuva, providência e ensinamento que gerou água em regiões onde nunca se havia visto uma torneira ou um cano; desfazer daqueles que ensinam a cozinhar restos desprezados de restaurantes, por essas periferias todas de grandes cidades do país todo; desconhecer a engenharia criada a baixíssimo custo para abrigar famílias que moravam à mercê de barbeiros em casas de barro?

É muito triste isso!

Saibam que quando aconteceu a tsunami em 2004, mais de 20 toneladas de roupas e alimentos enviados por pessoas do mundo todo foram incineradas, porque algumas organizações foram impedidas de entrar e organizar a sua distribuição e tudo apodreceu no barro ou ao relento. Quantos morreram de fome e frio por conta disso?

Não há a mínima dúvida de que há interesses escusos e não é de hoje, mas é muito triste que neguemos a importância dessas ONGs, associações, entidades e seus integrantes, que enfrentam poderosos para impedir que várias áreas onde vivem animais quase em extinção sejam derrubadas; para impedir que fazendeiros transformem em deserto áreas que não servem à agricultura, só às pastagens. Exploradas até a exaustão, são abandonadas e novas áreas são incineradas.

É muito triste isso!

Continue comprando artigos com selo verde, sim! Algumas pessoas foram assassinadas para garantir que ele existisse.

Continue contribuindo para entidades próximas, pequenas, mundiais, grandes, sérias, comprometidas.


Muitas pessoas dormem escondidas há anos, para sobreviver à retaliação de madeireiros e caçadores ilegais, bem como de comerciantes de nossa fauna, incomodados pela ação de conservacionistas.

Se o mico-leão dourado não tem o shape de seu coração, quem sabe aquela criança esfomeada, cheia de feridas, vendida para trabalhar ou se prostituir e que nunca viu um brinquedo na vida tenha!


O texto sobre o "Seu" Alcides veio de Bruno. Obrigada! A foto acompanhou o texto e não havia crédito.
O outro, de alguém que não me conhece muito bem.

20 de out de 2007

Da Turma(ou Uma historinha nada incomum)

Veja como se comporta o pessoal da turma cansada . Clique no link, assista o vídeo.

Nem tão famosa e bem longe de uma Ferrari. Há alguns anos meu carro foi batido por um caminhão, que descia um morro a caminho de uma praia em Itajaí, dirigido por um menor. Se eu não tivesse teimado que queria indenização, com o debochado garoto, o guardinha teria liberado sem sequer registrar o acidente. Eita nóis!

E os amigos do boyzinho passavam a toda velocidade, viam o amigo e me xingavam, ameaçavam. Alguns motoristas que haviam sido tirados da estrada pelo mesmo menor, aplaudiam e gritavam: Bota na cadeia esse safado antes que mate alguém!

Se o motorista fosse filho de pobre a história seria outra?

Se eu não tivesse levantado a voz, quem sabe...

Saí com um cheque assinado em branco.

Vai encarar?

Depois do Vinho


A cortiça está quase extinta. Alguns produtores de vinho, você já deve ter reparado, estão usando substitutos para as rolhas como nós as conhecemos desde sempre.
Porém, enquanto as tradicionais continuarem a fazer seu papel no bico da garrafa, guarde-as bem e depois use para fazer coisas como as que aparecem nas fotografias.

Outras sugestões e dicas para reutilizar rolhas de cortiça:

#Retalhos e recortes são ótimos para começar ou reavivar o fogo na churrasqueira.

#Nada se compara à rolha queimada para escurecer o rosto em peças de teatro infantis e bailes de carnaval. Descobri isto na pele. Faz tempo e traz boas recordações. Sai fácil com água e sabão.
#Rolhas queimadas servem também para escrever nas paredes. Mantenha-as longe de crianças arteiras e curiosas.

#Para tirar das rolhas o cheiro do vinho ou de outras bebidas basta cortar uma fina camada com uma faca afiada ou estilete.

#A cortiça aceita tintas, purpurina, verniz,... Use e abuse de sua criatividade.

#Forre assentos de cadeiras e bancos.
# Se tiver paciência e rolhas suficientes, faça cortinas rústicas. Misture com contas, sementes, cristais, ...


As sugestões de artesanato e decoração(fotos) vieram do mesmo site que inspirou este post.

19 de out de 2007

Para a Doce Pitanga!


Faz pouco tempo que nossos sinais se cruzam. O que é o tempo quando as cores combinam?
Algumas pessoas nos envolvem por mostrarem sua alma, sua sensibilidade, seu jeito de ser simples e por isto mesmo de uma riqueza ímpar. Basta ser doce, sensível. Pronto! Caímos na rede de bom grado.


Ser Pitanga deve ser uma maravilha! E ser tua amiga, mesmo que virtual, faz uma grande diferença!
P.S.: Gosto tanto de pitanga que quase virei folclore na família. Com os olhos e a vontade maiores que a visão e a esperteza até já levei pimentas vermelhinhas pensando serem as minhas cobiçadas. Mas desta vez não me enganei.

18 de out de 2007

Para Minha Amiga Lê

É muito bom ser sua amiga! Fazer parte do seu mundo me faz melhor em todos os sentidos.

Que você esteja sempre feliz, linda, deslumbrante e com o coração cheio de motivos para sorrir!

Eu gosto demais da conta de você!

Vale o abraço adiantado em um dia?



O cartão foi feito aqui

SERÁ QUE TINHA ALGUÉM OUVINDO?

E não é que estão falando em limite?

Ainda não chegaram no que eu sugeri, mas quem sabe?


Isto foi a minha fala no dia 8 p.p.:

"[...]
Teria uma maneira tão mais simples de fazer justiça social: dispensar de cobrança de todas as tarifas e descontos de CPMF todos os correntistas(pessoas físicas), que movimentassem valor inferior a, digamos, R$2.000,00/mês em sua conta-corrente.

Alôôôôô!!!! Alguém ouvindo?"

Para saber do contexto leia Vale-torcida?

TROCA-SE POR UM...


TROCA-SE UMA BONECA POR UM...


Hoje vamos de links.
Você está preparado? Receita: ler até o final.


É um dos tantos rascunhos que eu guardei.


Primeiro você entra aqui e se emociona com ela.


Depois você brinca de boneca (foi daqui que veio o desenho).

17 de out de 2007

O Bombeiro que Virou Sapo


Com vocês, Algaci, o sapo.

Ele mora no jardim de Neu e Vicentina, em Curitiba. Chegou assim como quem não quer nada, olhos esbugalhados, com pulinhos exploratórios meio tímidos. Descobriu que naquele terreno havia sombra. Ufa! Que a seca está de amargar, meu!

Nunca seria rei do pedaço porque já havia lá uns moradores mais antigos: cães, um cágado e sabe-se lá mais o quê! Melhor ficar na moita.

Mas quem resiste a um barulhinho, nem que seja para comemorar a grama fresca depois de tanto sol?

E assim, descoberto e aceito, uma tábua de tanque pelo avesso virou casa. Em troca disso a garantia de que não haverá inseto que se atreva a passar por ele.

Enquanto isso, mantemos nossas galochas e a firme intenção de sobreviver a mais alguns dias de prisão domiciliar por conta de tanta água.
Pouco ou muito é sempre uma questão de ponto de vista. Certo, Algaci?

16 de out de 2007

Estamos em reformas

Voltaremos assim que o template deixar de se comportar como adolescente em crise.

15 de out de 2007

Dormiu mal?


Durante este prolongado período em que mães e avós ficaram maluquetes com os gritalhões, comilões e bagunceiros, que aproveitaram os dias de chuva dentro de casa para que elas(as mães e avós) se perguntassem se não seria hora de repensar a humanidade e parar com esse negócio de dia disso e dia daquilo e, ainda, quando foram dormir ontem à noite e lembraram horrorizadas que hoje, dia do professor aqui no Brasil, seria mais um dia de absoluto silêncio nas escolas, enquanto em casa seria um Deus-nos-acuda..., bem, durante esse período, eu, que de vez em quando apelo para a minha criança de dentro e outras vezes quero que ela vá lamber sabão, decidi que era hora de puxar aqueles textos e referências guardados como rascunho, aqui nos arquivos escondidos do blog, antes que eu perdesse o caminho e nunca mais desconfiasse por que guardei aqueles links ou de quem eu queria falar. (Isto que é parágrafo, hein?)

Inútil. Abri a caixa de Pandora, comecei a ler os posts dos blogs,
dei um pulinho em Portugal, rolei de rir com a dotôra(leia o post scriptum dela), adocei um pouco a manhã com o Carpinejar e fui ver o que esse Gato havia escrito. Não sei se é da autoria dele, mas você precisa ver. Nem que seja só para quebrar essa ressaca.

E até o final do dia tenho mais uns 324 para ler. Fora os outros que li, mas não trouxe.

Sim, amados. Tenho essa consciência de que não sou unanimidade(mesmo porque isso teria alguma similitude com o bichinho risonho do post anterior), então, como eu dizia, mesmo que você não acredite nas minhas indicações, porque temos gostos transversalmente opostos, vai que dessa vez eu acerte, hein?


Comerciais e Emocionais

No fundo do meu cérebro está deitada, muito confortável, uma imagem de professora. De várias, aliás. Das que eu tive e da que eu fui. Algumas me deram luzes; outras me privaram do amor pelos números para sempre, essas bruxas. Mas sempre sobra um abraço especial para quem divide informação e salva muita gente da prisão do analfabetismo e da alienação.
De resto é cada um por si, que eu aprendi mais sozinha que com todas as horas de aula. Ou seria conseqüência? Xi! Hoje não é dia de divã psicanalítico, minha gente. Vai lá abrir os links! Ainda é tempo de salvar um pedaço da segunda-feira.

E viva aquela turma de alunos de uma certa 5ª série especial da qual falarei na próxima sessão. Os rascunhos ficarão mofando por mais um dia!

O desenho veio
daqui.

14 de out de 2007

Questão de Sobrevivência? Ou Medo de Sombra?


O MEDO CAUSADO PELA INTELIGÊNCIA

Quando Winston Churchill, ainda jovem, acabou de pronunciar seu discurso de estréia na Câmara dos Comuns, foi perguntar a um velho parlamentar, amigo de seu pai, o que tinha achado do seu primeiro desempenho naquela assembléia de vedetes políticas.

O velho pôs a mão no ombro de Churchill e disse, em tom paternal: " Meu jovem, você cometeu um grande erro. Foi muito brilhante neste seu primeiro discurso na Casa. Isso é imperdoável. Devia ter começado um pouco mais na sombra. Devia ter gaguejado um pouco. Com a inteligência que demonstrou hoje, deve ter conquistado, no mínimo, uns trinta inimigos. O talento assusta".

E ali estava uma das melhores lições de abismo que um velho sábio pode dar ao pupilo que se inicia numa carreira difícil.A maior parte das pessoas encasteladas em posições políticas é medíocre e tem um indisfarçável medo da inteligência. Isso na Inglaterra. Imaginem aqui no Brasil.

Não é demais lembrar a famosa trova de Ruy Barbosa:
Há tantos burros mandando
Em homens de inteligência
Que às vezes fico pensando
Que a burrice é uma Ciência.

Temos de admitir que, de um modo geral, os medíocres são mais obstinados na conquista de posições. Sabem ocupar os espaços vazios deixados pelos talentosos displicentes que não revelam o apetite do poder.

Mas é preciso considerar que esses medíocres ladinos, oportunistas e ambiciosos, têm o hábito de salvaguardar suas posições conquistadas com verdadeiras muralhas de granito por onde talentosos não conseguem passar.Em todas as áreas encontramos dessas fortalezas estabelecidas, as panelinhas do arrivismo, inexpugnáveis às legiões dos lúcidos.

(Aqui você faz uma paradinha para ler
e rir com este post. Mas depois volta! )

Dentro desse raciocínio, que poderia ser uma extensão do Elogio da Loucura, de Erasmo de Roterdan[sic], somos forçados a admitir que uma pessoa precisa fingir de burra se quiser vencer na vida.


É pecado fazer sombra a alguém até numa conversa social. Assim como um grupo de senhoras burguesas bem casadas boicota, automaticamente, a entrada de uma jovem mulher bonita no seu círculo de convivência, por medo de perder seus maridos, também os encastelados medíocres se fecham como ostras à simples aparição de um talentoso jovem que os possa ameaçar.

Eles conhecem bem suas limitações, sabem como lhes custa desempenhar tarefas que os mais dotados realizam com uma perna nas costas; enfim, na medida em que admiram a facilidade com que os mais lúcidos resolvem problemas, os medíocres os repudiam para se defender. É um paradoxo angustiante.

Infelizmente temos de viver segundo essas regras absurdas, que transformam a inteligência numa espécie de desvantagem perante a vida.

Como é sábio o velho conselho de Nelson Rodrigues: "Finge-te de idiota e terás o céu e a terra."

O problema é que os inteligentes gostam de brilhar, que Deus os proteja.

José Alberto Gueiros
JORNAL da BAHIA
Sábado, 23/09/79


Enviado por W.H.D . Já faz algum tempo, mas se aplica.
O burrico veio deste site

12 de out de 2007

Crianças do Brasil


Um filme bem feito. Feito por brasileiros. Sobre uma das realidades brasileiras. Sobre uma realidade que muitos de nós desconhecemos. Dói ver o olhar dessas crianças que se transformam em adultos aos 3, 4, 5 anos. Tão responsáveis. Tão longe de brinquedos, de carinhos. Tão vulneráveis e tão fortes.

É chocante ver e ouvir as mulheres que contam sobre seus filhos. Os vivos e os que não resistiram à dureza dessa realidade.

E há quem ache que a pouca ajuda que eles recebem deva ser cortada. Porque é privilégio dar a eles um pão, um litro de leite, um copo de soro. Escola. Atendimento médico. Vacinas. Abraços com sotaque estrangeiro ou não.

Amanhã ou depois eu tocarei nesse assunto. Quando a alma ficar mais leve.

Veja o filminho até o fim, se puder. É realmente bem feitinho.

Se sobrar um tempo, leia este texto, que foi de onde busquei essa foto terrível. Isso não acontece só no filme Diamantes de Sangue.

Bom feriado. Bom final de semana! Até segunda-feira!

11 de out de 2007

Uma Arca Cheia de Estrelinhas


Não tenho muitas fotografias de minha infância. Cidade pequenininha, orçamento minúsculo, família grande...


Essa foto se tornou o único registro de todos esses companheiros e amigos de minha infância. Faltam aí alguns, porque não estavam na mesma turma do Jardim de Infância(nome tão apropriado!), ou foram aparecendo na minha vida mais tarde(quando eu era mais sociável). Alguns nunca mais vi depois dessa fase.


A freira que quis fazer essa foto merece ter ido para o céu, se ele existe. Para onde se dirigiam as orações de pequenos, que nem sabiam o que repetiam. Que pensavam que céu era aquele lugar para onde iam os olhares de toda essa turminha, quando passava algum raro avião.


Era uma debandada para a varanda, quando alguém gritava "Avião!". Seria inútil tentar impedir. Seria de admirar que a mesma freirinha(como eu pude esquecer o nome dela?) que nos dava confeitos em forma de peixinho, impedisse aqueles: "Ciao, aviãozinho!" "Adeuzinhoooooo", acompanhados de acenos alegres. Eu lembro, isto sim, que ela nos estimulava a abanar a mão. O que sabíamos nós de avião com aquela idade?


Eu tinha entre 4 e 5 anos.O Jardim funcionava em uma casa grande, amarela com janelas azuis, estilo italiano, com varanda imensa, sombreada, fresca, que dava para um pátio com piso de cimento, talvez uma quadra de esportes.


Ficava perto da igreja. (Aqui as lembranças se misturam com o tempo do catecismo aos sábados, quando a velha igreja de madeira deu lugar a uma de alvenaria, com vitrais belíssimos, tanto para meus olhos de menina como para os de hoje.)

Do que a freirinha, uma jovem vinda sabe lá de onde, ensinava não lembro de nada. Lembro de cadernos, lápis de cor, cola feita com maisena, recortes, cartões para datas especiais. Mas de lições, nada! Absolutamente nada!

Jardim de infância deve ser assim mesmo. Não pode ter cara de obrigação, de lição de casa. Mesmo assim fui alfabetizada e pude pular o pré. Direto para a primeira série(o que viria a determinar uma infeliz espera mais adiante, mas...)

Lembro daqueles docinhos em forma de peixinhos coloridos de uma forma muito especial.

Como alguém conseguia controlar tantos pirralhos nem faço idéia, mas não tenho nenhuma lembrança de castigo, gritaria, choro. Nada disso. Só lembranças boas.

Xi! E aquela tarde inteira que passei escondida no porão de minha casa, para onde levei a lancheirinha cor-de-rosa, de plástico, com jeito de malinha? Lanche devorado para fingir que tinha ido ao Jardim. Eu havia fincado os dentes no braço de um menino(era minha defesa freqüente, já que era a menor naquele tempo) e devia estar com medo da repreensão. (Medo de rejeição, Dr. Freud?) Mas fui descoberta e entregue. Forçada a dar a mão a Luizinho Dall'ago. Mães presentes. Pedido de desculpas. Que vergonha!

Era um tempo em que brigas e desacertos se apagavam com qualquer brisa. Logo todos os vizinhos se juntavam para escorregar no barranco, brincar de loja, de sala de aula, de peteca, de caçador, de corda, de índio, de esconder, de dobrar árvore, de fazer açude em valeta, ralando e sujando as roupas enquanto descobríamos o mundo. Ninguém roubava frutas. As casas não tinham muros ou cercas. Árvore com fruta madura era só estender a mão."Vamo" lá em casa subir na pereira?". O pomar era de todos.

Todos chegavam no Jardim arrumados(repare o uniforme!) e prontos para mais uma tarde de cadeiras pequenas, de ripinhas, encosto curvado. Mesas nanicas.

Eu lembro do cheiro dos lanches. Pão com doce. Bolachas caseiras de verdade. Ovo. Frutas de todos os tipos. Maçã só quem fosse muito rico. Uma raridade embrulhada em celofane roxo. Às vezes eram lanches invejados ou negociados, depois de postos sobre a mesinha, sempre num guardanapo. Ali as lições de generosidade e higiene, bons modos para comer. Depois escovar os dentes. Mais lembranças de cheiros. Frescor. Toalhinha com nome. Não lembro se tinha soninho. Talvez tivesse para dar uma folga à freirinha, coitada!

Ai! Ai! Mas eu lembro também da Madre Pimentona. Famosa pelo seu mau-humor. Em algum lugar está guardado o nome dela, mas era assim que a gente cochichava:"Ai! Lá vem a Madre Pimentona!" Quando aparecia na porta da salinha ninguém respirava. Tínhamos que fazer bonito, mostrar que sabíamos rezar. Era sempre preciso cantar alguma música.

Ela era toda vermelha. Quer dizer, só se via o rosto. Vermelho. Temida não só por nós, mas por todas as mulheres de Seara. Ai de quem ela encontrasse na rua em roupas decotadas ou sem mangas, ou que entrasse na igreja sem véu depois de fazer a primeira comunhão, ou de mangas que não fossem pelo menos até o cotovelo! Ela não ligava se estava com pai, mãe, namorado, marido. Xingava e até mandava sair. As crianças, pobres de nós, levávamos beliscões. Imagine a freirinha tendo que mostrar serviço para aquela azeda.

Com certeza não foi esse terror de pessoa que um dia me fez querer ser freira. Deve ter sido aquela freira boazinha, dedicada e alegre, que nos ensinava a bater palmas, a rir, a brincar de roda. Que nos alfabetizou com brincadeiras, com desenhos, com riscos. Com cores que eu busco sempre que alguma coisa esconde o sol na minha vida.

Ela me ensinou uma poesia em italiano, que encantava meu nono Ricardo. De vez em quando alguém me coloccava em cima de uma cadeira e eu tinha que repetir a poesia. Alguns risos, amassões, aplausos. Eu lembro de raras palavras dessa poesia. Quem sabe alguém conheça. Lembrar de uma poesia depois de quase 50 anos já seria um milagre. Em italiano, então!

Era alguma coisa asssim:
"[...]rubicondo
[.......]
un nazzo imondo
[...]
Farfarello, Farfarello!(aqui eu lembro que sacudia o dedo ameaçador),
Tu sarai um anzanello?"

Nem tenho certeza da escrita, mas soava assim.

Afff!! Não consigo dizer o quanto me fez bem lembrar disso tudo, muito embora tenha enchido os olhos d'água.

Susana, obrigada por me levar até minha arca com teu comentário há vários posts atrás.

Aqui a lista do nome desses "coleguinhas". Perdão aos que esqueci o nome.

Da esquerda para a direita:

Dejair Zonta
Airton Tumelero
Egídio Garghetti
Esqueci seu nome
Dejair Paludo(Paludão)
Ademir Paludo(Paludinho)
Francisco(Chiquinho) Cavalin
Esqueci seu nome
Enori Barbieri
César Vitor De Marco(meu irmão)
Ademar Fracasso
César (Cizico) Paludo
Esqueci seu nome
Maria Helena Paludo
Euzinha
Rosemari Barbieri
Diair Zilá Zonta
Lia Petry
Carmelita Batistella
Irmã da Bidja
Maria de Fátima Farina(Coca)
Rosane Tumelero
Miriam Zanuzzo
Ivete Farina
Stela Maris 

Miriam Paludo


Quem sabe alguém se reconheça ou encontre o caminho em alguma pesquisa saudosa e ajude a completar os nomes.


Feliz dia de quem é criança para todos!

10 de out de 2007

Espertalhões em Hotéis e Imbecis ao Volante

Primeira Parte(que é para me dar achance de contar até dez)

Isto é muito sério e importante. Abra, leia e pratique. É para sua segurança.

(Saudade do tempo em que as chaves eram giradas na fechadura?)




Segunda Parte(Não teve jeito. Nem contando até 50!)


Pois Bem! Estamos navegando em ocorrências policiais hoje. Não por coincidência. Nada é.

Eu tinha outro assunto para colocar aqui hoje, assim tipo indignação por um outro motivo, mas quando estava na fila do Banco(é, hoje foi dia de maratona na cidade!), ouvi a conversa entre um policial civil e um policial bombeiro e soube do acidente estúpido(mais um entre tantos), que aconteceu em Descanso, oeste de Santa Catarina.

O policial civil perguntava ao bombeiro se entre as vítimas havia algum bombeiro e se era policial. "Sim, um. Por enquanto. Foi o Hauer. Há mais 4 em estado grave. "

Indaguei do que se tratava. Pensei que fosse incêndio, desabamento de algum prédio. (Lembrem que eu não leio jornal e não tenho acesso a tv local.Também não ouvi rádio hoje cedo.)

Contou-me sobre os dois acidentes e terminou a informação com esta frase: "Foram 28. Por enquanto!"

Saí de lá imaginando que 28 eram os feridos. O que já seria uma estupidez. Já em casa vi que haviam morrido 28, praticamente na hora. E muitos outros estão muito gravemente feridos.

O que leva um motorista de caminhão a trafegar na contramão em local proibido? E algumas horas depois, outro fazer a mesma coisa no mesmo lugar? O que falta, se havia sinalização e aquele amontoado de gente estava apontando para algum problema na pista?

Punição! Nada de cesta básica. Nada de pena alternativa. Quem faz isso, se sobrevive, tem que ter carteira caçada, ser preso. Tem que ficar privado de liberdade, assim como essas famílias ficaram privadas da companhia de seus filhos, pais, amigos.

E eu que nem queria ficar indignada! E além disto ainda acabo de lembrar daqueles três monstros que roubaram, seqüestraram, violentaram e mataram aquela estudante no Paraná e foram condenados a 3, sim, você leu certo, 3 anos de prisão em "estabelecimento destinado à recuperação de menores", porque assim está na lei.

A lei não é nem mais a sombra da justiça! Você sabe, eu sei, todo mundo sabe. E eles ficam se vestindo com trajes arcaicos para promulgar e aplicar leis arcaicas, que arcaicamente beneficiam criminosos e punem em duplicidade as vítimas. A troco de muito, muito dinheiro. Em todas as instâncias. Porque aplicar a lei e dar direito de defesa custa muito dinheiro, quem não sabe?

Eu já estou misturando tudo, mas me expliquem, por que advogar e aplicar a lei tem que custar tanto? Ah, eu até acho que sei a resposta, mas é que eu sou teimosa e acho, desde pequenininha, que o que vale para um vale para todos.

Ta certo! Eu é que estou sonhando com essa bobagem de respeito, paz, atenção, interesse, educação, cultura.

E por favor, não venham meus corajosos leitores com nenhum papo de que isto começou agora há pouco, de uns 5 anos para cá ou coisa parecida, ou eu vou misturar ainda mais esse assunto e vou deixar o pouco de delicadeza que ainda me resta e causar mais algum estrago. Please! Sejam bonzinhos.




Que eles descansem em Paz! Conforto para as famílias!


Para ler sobre a tragédia: clique aqui



Foto: daqui

9 de out de 2007

Ora, Pílulas!


Tenho a impressão de que de uns anos para cá tem muito médico e muito paciente confundindo infelicidade com depressão.

Diz o documentário da televisão que nunca se receitou tanto antidepressivo nos EUA.

Depois de comprar tudo o que querem e podem, resta aquele vazio que dinheiro não preenche. Ficam tristes, infelizes. Os médicos aceitam que é depressão. E dá-lhe remédio. Claro que há muitas outras coisas por trás disso(laboratórios, patentes, premiações por receita, lá como aqui na república dos canaviais).

Antes de procurar o médico seria bom procurar a si próprio e ver alegria e felicidade, que são estados passageiros, em coisas menos compráveis.


A depressão, se ocorre, deve ter a atenção devida, mas acho que existem mais infelizes do que depressivos, nessa época em que importa só a novidade, só o mais evidente, só a grife, só a badalação, só a aparência.

Para saber se você está com depressão faça
este teste.

Para saber alguma coisa sobre depressão leia o que diz
Dráuzio Varella e visite também o Psicosite.


A primeira foto estava neste site.
Update: E esse lindão com cara de pidão(veja o comentário da pidona Ângela, sua dona) é Cheff, que estava em meus arquivos.

8 de out de 2007

Vale torcida?


Acompanhei uma entrevista, neste final de semana. Segui vendo que era para acreditar.

Há uma comissão na Câmara, que tem 20 dias para apresentar parecer e sugestões sobre essa roubalheira que são as tarifas bancárias. Já estudaram como funciona em outros países, até. Como trabalha essa gente!(A propósito, o que foi fazer Tarso Genro e seu séquito em Mônaco, um mês antes de que o pedido de extradição do odioso-seboso fosse traduzido, condição sine qua non para que fosse recebido por aquela corte?)

Segundo o coordenador da equipe(não divulgo o nome, que não me cabe fazer marketing de nenhum deles) não será analisado apenas o número delas, nem somente seus valores, mas sua duplicidade e sua necessidade. Vão sugerir, inclusive, tabela única para todos os Bancos. Não sei se isso será bom ou ruim. Na minha experiência bancária já vi gente procurando entrelinhas para colocar mais ovos do que comportaria um cesto.

Não cabe àquele grupo legislar, segundo o entrevistado, mas sugerir ao BACEN a manutenção de tarifas e/ou cortes nesse verdadeiro aspirador de dinheiro.

Basta dizer que a CPMF em apenas um ano levou para o cofre do governo R$35 bilhões de reais e as tarifas deram aos bancos R$26 bilhões.

Vale torcer para que pelo menos emitam parecer. Sinceramente, dado o histórico existente, não acredito que a baixa moral que ronda o planalto lhes dê atrevimento suficiente para enfrentar esses dinossauros da economia.

Semana passada, com a transferência do BESC para o Banco do Brasil, por exemplo, eu descobri que a cada saque em caixa eletrônico na nova casa, eu terei que desembolsar R$1,20 de minha aposentadoria. No BESC era de graça, ou pelo menos estava embutido na cesta básica de serviços(tarifa fixa) e eu podia sacar enquanto tivesse dinheiro disponível. O pequeno rendimento da poupança corrente zerava essa tarifa.

Só a inadimplência não parece justificar essa cobrança de tarifas(para quem não sabe o custo pelo serviço bancário serve para cobrir possíveis inadimplências- se os outros não pagarem nós já pagamos; se eles pagarem, nós já pagamos do mesmo jeito).

Agora é torcer para que não queiram recuperar os R$250.000.000,00 desembolsados na compra do BESC de nosso saldo bancário.


Teria uma maneira tão mais simples de fazer justiça social: dispensar de cobrança de todas as tarifas e descontos de CPMF todos os correntistas(pessoas físicas), que movimentassem valor inferior a, digamos, R$2.000,00/mês em sua conta-corrente.

Alôôôôô!!!! Alguém ouvindo?

A foto veio deste site dourado

É o Maior!

Você não vai acreditar nisso!

Clique nos links das categorias e leve muitos sustos. Qualquer acesso de riso é mera conseqüência.

Para não perder a viagem, se você conhece um maior ou menor, pode homologar como recorde.

Boa semana!

7 de out de 2007

Copiando a Feiúra

Não bastasse essa monstruosidade em Paris(olhe bem para ela, sem pensar na cidade onde ela está, SVP!), vão construir uma réplica no México!

Quem foi mesmo que disse que adorava a torre por ser o único lugar de onde podia olhar Paris sem vê-la?

Se você quer ver o que se vê lá de cima, entre
no site oficial da dama de ferro, clique no link "Paris vu de la tour" e arraste o mouse sobre a imagem em qualquer sentido.

E pensar que o souvenir que ganhei de minha irmã foi uma miniatura dessa prova de que a propaganda vende mesmo qualquer coisa! Ainda bem que embaixo dela havia um pedaço de mármore rosa, que segura a bagunça de mes papiers nessa mesa de onde digito. Eh bien!

Tomara que essa moda não pegue, ou vai ter uma estátua do feioso Cristo Redentor no deserto do Atacama! Se ao menos eles conseguissem copiar a paisagem sem o que ela esconde...

A foto copiei aqui

6 de out de 2007

Uma Lista Quentinha


Continuando com o que eu comecei aqui (reparou no comprimento dos seus dedos?), vou tentar riscar mais algumas linhas de anotações.
Gente, é preciso entender que eu fico pesada de responsabilidades se anoto e não divulgo. Nã-nã! Dispenso terapias. É só senso de responsabilidade. Mesmo!

Melhor começar a próxima semana de lista vazia.

II- Endereço da Sociedade Agatha Christie(mas que mania de colocar agá em tudo tem esse povo!)

Anote:

The Agatha Christie Society
PO Box 2749
London W1A 5DS

III- OMENTO

É a gordura que acumula na sua barriga. De vez em quando na minha. Pouca. Faltou escrever isto
nesse post. Se sua barriga faz seu corpo ter formato de maçã, trate de fazê-lo ficar com formato de pêra!

IV- Filmes para Ver e Gostar

-Meu Nome é Radio. Com Cuba Gooding Jr.e Ed Harris, inclusive. Personagem real. Comovente

- Na Companhia do Medo, com aquela bela Halle Berry

- Um Bom Ano. Lindo! Lindo! Eu quero morar lá!


V
- Pensamento que alguém falou no filme Um Bom Ano. Que produção! Que cenários!
Clique no linck para ver um trecho do filme. (Só para quem tem Quicktime):

"Deixe as mulheres bonitas para homens sem imaginação"(Proust)

VI- Um site para visitar(sim, tem gente que faz!):

Que espetáculo!


VI- Vibração(isso nem foi anotação. Foi experiência):

Se você acha esse negócio de vibração conversa para boi dormir, experimente fazer aquele som do mantra OOOOMMMMM perto de um gato.

Chegará o dia em que mais do que poucos saberão que tudo é feito da mesma matéria. O que faz a diferença é a freqüência das vibrações.
Um amigo acabou de descobrir que vibrações(pequenos socos ritmados) na altura da glândula TIMO fazem a danadinha continuar ativa.

Por hoje chega.

Imagem: daqui

5 de out de 2007

Alô, Primavera!


Registro da última semana de inverno de 2007 no hemisfério sul.

Para zoom clique sobre a imagem.

Foto nº de registro 1223, by Clarice de Marco

Se copiar, cite a autoria e origem.

4 de out de 2007

Mensagem para Corações Partidos


Mensagem, aqui devidamente corrigida, enviada a uma amiga jovem, linda e querida, que terminou o namoro, logo ali, agora há pouco, ficou em silêncio muito tempo e abriu uma frestinha da cortina para me deixar saber que está triste, sabe como é, depois de tanto tempo. Se pelo menos eu morasse na praia...

"De longe dava pra sentir que nem tudo tinha a ver com trabalho.

Ninguém sabe o que dizer numa hora dessas. Sei disso porque já tive alguns quilômetros de experiência.

Mas eu vou me arriscar.

Na primeira fase: chorar, chorar, chorar!
Depois negar, negar, negar.
Depois descobrir todos os defeitos do cara.
Aí vem aquele suspiro de saudade: era ruim, mas eu gostava! Ai! Ai! É a fase mais perigosa. Pode acabar em recaída ou em ódio!

Depois de muitas outras fases particularmente específicas de cada pessoa, vem aquele espanto: Como é que eu pude...? Como é que ele pôde...?

Passados alguns contratempos, chega um silêncio tão macio, tão bom, tão maduro, que, bem, aí você aceita o que aconteceu, passa o traço de adição, soma só as coisa boas, joga fora o que não presta.
Mas presta atenção: não esqueça, que é pra não repetir burradas.

Vida é isso: escolher só as coisas boas e acariciar os galos na cabeça pra não bater com ela de novo.

E como toda a dor um dia passa...

Olha aí, você! Prontinha pra começar a ficar boba outra vez!

(...)

Viva cada uma das fases e escreva o que sente, se se sentir à vontade. Desabafe, fique perto das amigas, mande mensagens para mim, se quiser. Pode xingar, pode escrever até sem vírgula e sem ponto.

Nada de depressão! Pense, não nos ... anos de namoro, mas nos muitos que você tem pela frente. Agarre todas as chances de ficar alegre, pelos cabelos. Olhe-se no espelho! Você é linda! Merece ser feliz e vai encontrar um amor que te faça sorrir e não sofrer!

Se depois de um mês continuar triste me avisa, que vou aí e te dou umas chineladas! Onde já se viu?

(...)

Aproveite o final de semana para sair e não para ficar olhando cacarecos de namoro terminado.

Acho que eu deveria rever o que escrevi, mas não vou. Vai do jeito que saiu. Tipo tia que abraça a sobrinha e dá um tapinha na bunda pra ajudar a ir para frente.

Beijo! Beijo!"

Imagem daqui

Faça a Diferença!

Mensagem fresquinha.

Para fazer mais do que falar e torcer para que façam, clique aqui.

Disfarça e Olha


Assim, entre a telinha e um livro, resolvi colocar na mesinha ao lado da cadeira(que supostamente seria minha, mas que eu disputo com os gatos), uma caneta e um papel qualquer, para ir anotando o que acontece, o que me ocorre, o que pode virar dica, o que pode virar notícia de blog despretensioso.

Acumulou. O papel já virou pelo avesso e já escrevi em todas as direções para não misturar sola de sapato com sala de parto. Então é hora de começar a distribuir.

Vai ver o cara que disse que informação só vira conhecimento quando é passada adiante estava certo!

I -MÃOS QUE CORREM

Olhe para suas mãos. Repare no comprimento* dos dedos. Observe a diferença entre seus dedos indicador(dedo-duro, vizinho do dedão) e anular(o que carrega ou espera carregar anel, aliança. O vizinho do mindinho).

Quer saber se alguém pode apostar em sua carreira de velocista ou maratonista?

Quanto maior a diferença de comprimento entre esses dois dedos, maior a chance de você vencer numa corrida. Antes de apostar olhe para as mãos dos outros competidores.

Quem assina isto é a pesquisa esportiva. Um dia um maluquete começou a reparar nas mãos dos melhores corredores e resolveu fazer experiências. Colocava numa pista meia dúzia de pessoas em bom condicionamento físico, separados por modalidade esportiva; ou simplesmente pessoas comuns, que jamais haviam pensado em correr.

3...2...1...POW!!! E viu que os primeiros colocados eram sempre os que apresentavam a maior diferença no comprimento daqueles dedos.

Antes de saber disso, de olhar para minhas mãos e reparar que os dois dedos são quase do mesmo comprimento, comprovando a teoria, meu cérebro já havia dado o alerta: Caminhe, Clarice! Nade. Pedale. Você é magra mas é uma âncora. Uma chumbada. Um saco de sal encharcado.

E aí? Vai para as próximas olimpíadas?
Foto: deste site
_____________________________________________________
*Comprimento= medida
Cumprimento=saudação

3 de out de 2007

Juro!

Que essa pessoa aí não sou eu!

Sou presidente do meu nariz e olhe lá!

Do Fundo do Baú Musical

Primeiro: a palavra baú é acentuada porque "u" faz sílaba sozinho. O mesmo vale para o "i". Portanto, nada de acentuar urubu, jacu e similares.

Agora vamos ao mote principal.

Ele não é do meu tempo de ouvidora de rádio. Mas eu ouvi a voz dele em algumas ocasiões. Não me tornei sua fã, nem compro registros dele. Todavia, nesses tempos de rap(que eu detesto até a última pancada) e de vozes fanhosas em todos os idiomas e estilos, é bom saber que tivemos
uma voz assim por estas bandas. Outras há escondidas, modestas, sem incentivo.

Repare que o ponteiro vai direto para um jornal muito bem feitinho, cheio de informações sobre a região.

Explore. Divulgue. Afinal, de tantas queixas sobre coisas mal feitas, indicar o que faz o
PINDAVALE me dá prazer, principalmente porque é da região de um amigo do coração, atualmente bandeado lá para os frios de Curitiba(da qual meu contador de visitas nunca ouviu falar!), mas que deixou grande parte do coração no vale paulista.

Dica: Neu e Francisco(pai e filho)

2 de out de 2007

Da Série: Coisas que merecem aplauso



Sou uma movie's english, ou english movie's seja lá o que isto queira dizer. O que eu quero dizer é que aprendi mais palavras em inglês assistindo filmes e documentários na TV do que nos meus pequenos 3 anos de ginásio(é, eu sou do século passado). Ficou gravado o básico e eu fui me virando.


Não vou me meter a dar palestra nem a conversar muito, mas dá pro gasto: consigo me comunicar por escrito com meus amigos americanos, uma artista do Irã, alguns ingleses, japoneses, canadenses, espanhóis(?); um contato de Dubai, outro das Maldivas, Amsterdã, Nova Zelândia...

Então recebi uns slides que vão acelerar meu aprendizado e melhorar meu vocabulário. Fazer elogios e falar o trivial, perguntar isto e aquilo, já dá para enganar. Estas dicas são da moléstia!

Preste atenção: vale copiar e espalhar, mas mantenha a autoria, por favor. O cara foi muito generoso. Não custa colocar o nomezinho dele.


"Como aprender a escrever 400 palavras em Inglês em apenas um minuto.


Se você pensa que é brincadeira, experimente ler toda esta matéria e depois me conte.

Comece logo a estudar Inglês que, diferentemente do que você pensa, é extremamente fácil de aprender.



Basta apenas seguir algumas regrinhas elementares.

Mas, antes de tudo, quero explicar que as regras abaixo apresentam uma ou mais exceções, o que demonstra duas coisas:

Primeiro: que tais exceções só servem precisamente para confirmar as regras
Segundo: que é bem preferível, errar numa ou noutra ocasião e aprender 400 palavras em inglês num minuto, do que ficar preocupado com a rara exceção... e não aprender nada.

Regra 1 Para todas as palavras em português que terminem em DADE (como a palavra cidade) retire o DADE e coloque em seu lugar
TY e assim CIDADE passou a ser CITY.

Veja agora um pouco das cento e tantas palavras que você já aprendeu nestes primeiros vinte segundos de leitura desta aula:

CIDADE == CITY



VELOCIDADE == VELOCITY


SIMPLICIDADE == SIMPLICITY


NATURALIDADE == NATURALITY


CAPACIDADE == CAPACITY

Regra 2 Para todas as palavras em português que terminem em ÇÃO (como a palavra NAÇÃO) tire o ÇÃO e coloque em seu lugar TION.

Assim a palavra NAÇÃO passou a ser NATION (as respectivas pronúncias não importam no momento, e além disso você estaria sendo muito mal-educado querendo exigir demais numa aula de graça!).

Vejamos agora algumas das centenas de palavras em que a maioria se aplica essa regra:

SIMPLIFICAÇÃO == SIMPLIFICATION



NAÇÃO == NATION


OBSERVAÇÃO == OBSERVATION


NATURALIZAÇÃO == NATURALIZATION


SENSAÇÃO == SENSATION

Regra 3 Para os advérbios terminados em MENTE , tire o MENTE e em seu lugar coloque LLY. Mas, quando o radical em português termina em L, como na palavra TOTALMENTE, acrescente apenas LY). Veja a seguir algumas delas:

GENETICAMENTE == GENETICALLY
NATURALMENTE == NATURALLY
ORALMENTE == ORALLY

Regra 4 Para as palavras terminadas em ÊNCIA (como no caso de ESSÊNCIA), tire o ÊNCIA e em seu lugar coloque ENCE.
Eis algumas delas a seguir:

ESSÊNCIA == ESSENCE



REVERÊNCIA == REVERENCE


FREQÜÊNCIA == FREQUENCE


ELOQÜÊNCIA == ELOQUENCE

Regra 5 E para terminar esta aula, ficando ainda com mais água na boca, aprenda a última e a mais fácil delas (há um monte de outras regrinhas interessantes, mas não disponho aqui de espaço para tudo).

Para as palavras terminadas em AL (como na palavra GENERAL), não mude nada.
Escreva exatamente como está em português. Veja alguns exemplos:

NATURAL == NATURAL



TOTAL == TOTAL


GENERAL == GENERAL


FATAL == FATAL


SENSUAL == SENSUAL

Conforme você acaba de ver, a menos que seja um leitor preguiçoso e lento, não foi preciso gastar mais de um minuto para aprender 400 palavras em inglês.
Façam o favor de dar crédito a quem lhes revelou a dica, tá? "

(Mario Giudicelli, jornalista brasileiro, que há 30 anos trabalha na Casa Branca como intérprete.)

Update: A correção do nome foi do autor, comentando neste site(a caixa alta é dele; os erros de digitação também)

February 24th, 2007 at 6:29


"ROGO AOS AMIGOS DESTA PÁGINA QUE OBSERVEM QUE MEU NOME É MARIO GIUDICELLI E NÃO GIUBICELLI, CONFORME APARECE NA APRESENTAÇÃO DO ARTIGO ” COMO APRENDER 400 PALAVRAS EM INGLÊS.”. PEÇO TAMBEM QUE NOTEM QUE NÃO AUTORIZEI A PUBLICAÇÃO DESSE ARTIGO PELA WEB, PRIMEIRO PORQUE ELE É PARTE DE UM TODO MUITO MAIOR E MAIS DIVERTIDO, EMBORA IMAGINE QUE ISSO TENHA SIDO FEITO POR UM GESTO SIMPÁTICO DE QUEM O PUBLICOU. SOU EFETIVAMENTE INTÉRPRETE SIMULTÂNEO DE CONFERÊNCIAS HA 40 ANOS TANTO NO STATE DEPARTMENT COMO NA CASA BRANCA E OUTRAS AGÊNCIAS DO GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS. ATUALMENTE ACHO-ME DE FÉRIAS E EM CARATER SEMI APOSENTADO NO GUARUJÁ, ESTADO DE SÃO PAULO.BRAZIL, SOU TAMBÉM JORNALISTA, PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EM SOCIOBIOLOGIA E PARA AQUELES QUE DWESEJAREM ENTRAR EM CONTATO COMIGO, FAÇAM-NO PELO ENDEREÇO ELETRÔNICO eric@gnet.com.br "


A foto veio deste site

1 de out de 2007

Alta freqüência

Esse meu novo contador de visitas é uma gracinha(uma luzinha ficou piscando na África enquanto passei por aqui e eu fiquei toda boba!), mas não sabe o nome de todas as cidades- eu dizia que estava em Florianópolis e ele teimava em dizer que não: você está em Ilhota!

Olhando pelas visitas por cidade(vai descendo, vai descendo!) deve ter uma turma de alunos treinando acesso à internet em São João Batista(ou estarão em Floripa, Navegantes?).


Para colocar um contador desses clique sobre a imagem(banner) e copie direto do site. É de graça!

A foto veio deste site

Renegada

Por favor! Parem de dizer que Ideli Salvati é catarinense!

Ela passou algum tempo por estas terras enchendo nossos ouvidos naqueles discursos de greve, gritados no largo da Matriz, fingindo ser boa professora. Uns malucos a elegeram para que ela pudesse fazer um regime de emagrecimento em Brasília e para conseguir um trocadinho para cositas agora sob investigação.


E só! Por enquanto. Quando a Polícia Federal terminar o serviço em Chapecó, poderemos ter mais novidades.

Se der pizza será com sabor paulista e não catarinense.

Já o *Fritsch...
______________________________________________
* Misturando lembranças: Uma irmã do Zé Fritsch estudou na mesma escola pública que eu(Raimundo Corrêa), em Seara. Ele também. Ela foi protagonista de um fato que virou piada. Pelo menos em nossa família nos faz rir até hoje. Pouco ligada em vôlei e pra lá de distraída a menina! Alguém passou a bola e gritou: Pega, Fritcha(era o apelido)! Obediente, ela encaixou a bola e segurou bem firme para não cair. Com certeza o jogo que ela mais conhecia era caçador(queimada para alguns).
De vez em quando, família reunida, alguém lança algum objeto e repete a ordem, que é pra ter certeza de que não vai parar no chão.