TRANSLATOR( BLOG OR POST)

26 de jun de 2006

Quem é bom já nasce brasileiro!

De Waldemar, chega essa lista maravilhosa! Por favor, leia mais de uma vez!



AS FRASES DE STANISLAW PONTE PRETA

Inúmeras frases, conceitos e bordões criados por Sérgio passaram à memória nacional, o que o tornava o mais autorizado intérprete de nosso cotidiano:

* Tem nego que adora virar fenômeno.

* Estava mais duro do que nádega de estátua.

* Parecia uma onça com sinusite.

* Mais incomodado do que um búfalo no verão da Dinamarca.

* Era um especialista em vias urinárias e não tinha preferências, qualquer que fosse a via, em sendo urinária, ele encarava.

* No Brasil as coisas acontecem, mas depois, com um simples desmentido, deixam de acontecer.

* Uma nota novinha em folha, dessas que saem logo depois de uma revolução em emissão especial para cobrir as despesas democráticas.

* Carro é como mulher: só é bom pra quem tem dois.

* Mais feio que mudança de pobre.

* Estava tão mal que mais parecia reserva do Bonsucesso.

* Conversa de bêbado não tem dono.

* Antes só do que muito acompanhado.

* Quando aquele cavalheiro nervoso entrou no hospital dizendo "eu sou coronel eu sou coronel", o médico tirou o estetoscópio do ouvido e quis saber: "Fora esse, qual o outro mal do qual o senhor se queixa?"

* Ser imbecil é mais fácil.

* Mais remendado que paletó de mendigo.

* Não sei por que tem gente que acha que eu tenho que defender tudo, igual goleiro de Seleção.

* Está dando mais do que cará no brejo.

* Na idade de Tia Zulmira não existe desejo sexual, existe é reminiscência sexual, que é coisa bem diferente e muito menos cansativa.

* Mais monótono do que itinerário de elevador.

* Macrobiótica é um regime alimentar para quem tem 77 anos e quer chegar aos 78.

* Consciência é como vesícula, a gente só se preocupa com ela quando dói.

* Lavar a honra com sangue suja a roupa toda.

* Difícil dizer o que incomoda mais, se a inteligência ostensiva ou a burrice extravasante.

* Mania de grandeza é a desses suplementos literários que têm um aviso dizendo que é proibido vender separadamente.

* Se mosquito fosse malandro mordia antes e zunia depois.

* Ou restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos!

* Esperanto é uma língua universal que não se fala em lugar nenhum.

* Quem dá aos pobres e empresta, adeus!

* Levou um susto e ficou mais branco do que bunda de escandinavo.

* Ficou numa melancolia de pingüim no Piauí.

* Mais por fora do que umbigo de vedete.

* Tirante mulher, a gente só deve recomendar o que experimentou e gostou.

* O terceiro sexo já está quase em segundo.

* Em rio de piranha jacaré nada de costas.

* Se a senhora está mesmo disposta a se despir de todos os seus preconceitos, então por que não tira logo as calcinhas também?

* Dono de cartório de protesto é uma espécie de cafetão da desgraça alheia.

* Minissaia é um traje que quando a mulher senta aparece o que a saia tinha obrigação de fazer sumir.

* Por mais eficaz que sejam os métodos novos de fazer criança, a turma jamais abandonará o antigo.

* A polícia prendendo bicheiros? Assim não é possível. Respeitemos ao menos as instituições

* O rapaz era militar e Flamengo, portanto duplamente supersticioso.

* Quando o casal começou a dançar o chá-chá-chá Tia Zulmira disse que já conhecia aquilo, apesar de que, de pé, era a primeira vez que via.

* A dúvida dele não era a de que pudesse não ser um homem, mas a de que talvez nem chegasse a ser um rato.

* Mais inútil do que um vice-presidente.

* Há sujeitos tão inábeis que sua ausência preenche uma lacuna.

* Pra não se sentir diminuído no meio dos amigos, confessou: "Não é pra me gabar não, mas eu também sou meio tarado!".

* Era uma empregada tão perfeita que a patroa concordou em cozinhar para ela.

* Os valores morais são os únicos que conservaram os preços de antigamente.

* Ele tinha um medo terrível de se apaixonar pela esposa.

* Mais vale um filé no prato do que um boi no açougue.

* Quando estamos fora, o Brasil dói na alma; quando estamos dentro, dói na pele.

* Quando acabou aquele velório teve-se a impressão de que o morto ficou mais aliviado.

* Amor, dinheiro e lua, parando de crescer começam logo a diminuir.

* Nem todo rico tem carro, nem todo ronco é pigarro, nem toda tosse é catarro, nem toda mulher eu agarro.

* Coitado, freqüentou tantas noites de autógrafos que acabou alcoólatra.

* Se você não acredita que o reino do céu é aqui, repare então como os pobres de espírito se divertem.

* O cachorro abana o rabo quando quer agradar; a mulher, quando quer agrado.

* Mulher e livro, emprestou, volta estragado.

* O sol nasce para todos, a sombra pra quem é mais esperto.

24 de jun de 2006

A dor

Depois de ver isto...





só posso continuar pensando que O HOMEM É UM ANIMAL QUE NÃO DEU CERTO !

A primeira foto é de uma tigresa que adotou porquinhos, na Tailândia. Foi enviada por Lê.

A outra foi copiada da internet por Jim Voves, EUA(Flickr), meu Fotoamigo.

18 de jun de 2006

Esses Portugueses!


Fiquei com cara de, como era mesmo a palavra? Gribiche ou gribriche? Como o link não funcionou para Carol, voltei para conferir e, eu juro, o site existe e é este: http://www.portal.pt/, mas só prá me desancar a pesquisa foi retirada.

Vai ver ninguém sabia o que era. Vou no palpite de Celinho: deve ser molho.

"Perdendo de português, vou empatar com quem?" É. Vai nessa, vai!

Só prá chatear, espia nossa bandeira ao nascer o sol aqui na Ilha de Santa Catarina!

Foto: minha

15 de jun de 2006

TEATRO DE VARIEDADES




Livro que eu li e recomendo: Sábado, de Ian McEwan. Para ler sem parar. Feche a porta, desligue o celular. O livro termina e a gente quer mais. Ele vai além da história, o que, volta e meia, esfrega a realidade na cara do leitor. E você vai ficar pensando:"Se fosse comigo..." várias vezes e muitos dias depois de ler. Eu fiquei, porque sou de pensar, de vez em quando. A história acontece num dia . Sábado, claro!

Filmes que eu vi e amei:
Moça com Brinco de Pérola(A beleza da moça é só um detalhe. Repare na fotografia e iluminação, ambientação, figurinos, produção. Um desbunde!).

-Praia dos Galgos(Filme para ver e rever. Só pra amolecer bem o coração.) Não. Não vou contar nada!

Para raspar gengibre, cenoura e batata baroa(a tal mandioquinha) não use faca. Use colher. Você evita aqueles respingos e a colher passa por todos os buraquinhos e reentrâncias. Na ida e na volta. E você não se corta.

Não use panelas com teflon para derreter ou caramelizar açúcar. O açúcar derretido entra nos poros do teflon. Quando você(ou a pobre Anastácia) lava, o teflon sai junto do açúcar e adeus panela!

Para tirar manchas de mofo de objetos de couro use um pano levemente (*)umedecido com álcool. Calçados devem receber ar e sol. Tênis fedorentos também.Uma vez por mês tire os 1.785 pares de sapatos(meninas) e o par de sapato e os 5 tênis(meninos) e sol neles!

(*)Coisas dessa língua: existe úmido e umidade, umidificar, umidificação..., mas o verbo é umedecer. Então, umedecido e não umidecido.

Chove em Florianópolis, depois de um mês. Lá no oeste do estado, Seara, cidade onde eu nasci, não existe mais água, nem para beber. Só algum mísero poço artesiano, que esvazia o manancial subterrâneo. E a 35 quilômetros, em Itá, o rio Uruguai foi represado. Eu não disse? Eu não avisei? Os diques, represas e usinas já alteraram a rotação da Terra, o que pouco se divulga. Quando não houver mais rios e água para beber, você vai beber caldo de cana? Ou prefere um choque? Ou vai mastigar soja?

Observando: O tal site da tal palavra dos tais portugueses existe(http://www.portal.pt/), mas o tal item foi retirado porque a tal pesquisa também foi. Espertinhos! HUMPF!!!

12 de jun de 2006

Farelo de bolo(ou congestão de dozes de junhos)


"De tanto levá frechada do teu olhar
meu peito até parece sabe o quê?
Tauba de tiro ao álvaro
não tem mais onde furá." (Adoniran Barbosa)




JANELA PARA O SOL
Larguei a poesia em algum canto,
por aí.
E a perdi.

Eu a deixei nas gavetas do escritório,
nos bolsos de alguém,
nas bocas e ouvidos,
nos tornozelos,
nos dedos dos pés
dos que viraram as costas
e partiram;
nos braços em que me desfiz.

Eu deixei alguém
esconder nas mãos
o perfume dos dias.

Ela ficou nos sons de palavras
que se partiram
antes de serem ditas;
nas promessas que eu nunca quis.

A poesia balançou
nos cabelos de quem é passado.
Em cada nome
um pouco de vida.

Ainda será tempo
de calçar sapatos novos
e sair em busca daquela nuvem
cor-de-rosa, frágil,
que nunca me iludiu
mas me manteve em pé?

Deixei a poesia fácil, mas não a doçura.
 O amor existe e eu desfrutei dele com fartura.
Sempre caem migalhas.
Mas eu não as quero. Eu quero mais!
Foto: Pablo Rodrigo de Marco
Modelo: amor-perfeito de meu jardim

8 de jun de 2006

NO OUVIDO DO GATO

PARA SER DIFERENTE E SEMPRE IGUAL

Experimente estas, que eu encontrei há alguns anos, num site que hoje está bem diferente, mas está de bom tamanho para esses dias de gente com o coração na mão e a mão no bolso ou na bolsa.

Eu não garanto o sucesso nem amor eterno, mas boas risadas enquanto tentam a pronúncia, quem sabe!

Africano - Ek is lief vir Ek het jou lief
Akan (Ghana) - Me dor wo
Albanês - Te dua Te dashuroj Ti je zemra ime
Alentejano(Port.) - Gosto de ti
Alsaciano (Alsácia) - Ich hoan dich gear
Amharico (Etiópia) - Afekrishalehou Ewedishalehu (dito para mulheres) Ewedihalehu (dito para homens)
Apache - Sheth she~n zho~n
Arábico(formal) - Ohiboke (dito para mulheres) Ohiboki (dito para mulheres) Nohiboka (dito para homens)
Arábico (próprio) - Ooheboki (dito para mulheres) Ooheboka (dito para homens)
Arábico - Ana behibak (dito para homens) Ana behibek (dito para mulheres)
Arábico (Umggs) - Ana hebbek Armeniano - Yes kez si'rumem
Assamês - Moi tomak bhal pau

Depois desta é melhor fazer uma paradinha estratégica.
Continua, com certeza!

4 de jun de 2006

MAS QUE FUTEBOR, QUE NADA!

Eu já pendurei( e o vendaval de dois dias e duas noites tenta arrancar) duas bandeiras na sacada. Estoque de pipoca e cervejinha OK. Não! Nada de fanatismo. Pelo esporte. Juro! Eu torço, grito, xingo feito torcedora fanática, aponto erros do juiz, malandragens dos jogadores, entendo o suficiente das regras do jogo para anunciar impedimento antes do juiz apitar. Mas não choro se meu time der vexame, nem perco o sono se ligar a televisão depois do jogo começar.

O mais importante e que tem a ver com este blog: Sempre achei que futebol e todos esses esportes em que existem homens sarados e valentes sejam coisa para mulheres. A moça que escreveu o texto abaixo acertou no ângulo! Nã-nã-nã! Vai me convencer de que a rapaziada se encanta só com as jogadas? Eles também olham. Alguns com saudade do que abriram mão em troca de uma boa mesa e copos; outros lambendo os beiços descaradamente.

Mulher é privilegiada em tempos de copas: pode torcer pela jogada ou ficar esperando algum close prá ver se aparece algum novo galã. Sorte a nossa, hein? Falar nisso tem um alemãozinho que vai incomodar muito nos próximos dez anos. Ah, deixa de preconceito. O que é dez anos mais velho ou vinte anos mais moço, continua sendo uma perdição. "O que é bonito é prá ser olhado". Não é regra de vocês, meninos?

O texto foi escrito para as meninas, mas meninos também vão gostar(da foto pelo menos, vão!).
Começa assim:

Copa é muitíssimo melhor que cozinha
Rosa Pena


Pois é!!!! A copa do mundo está aí e você é uma mulher que não suporta futebol, mas o seu bofe preferido adora, então você entra logo em pânico. Acabaram-se as idas ao cinema, teatro, jantares, sexo fora de hora, sim minha amiga, você pode comprar a calcinha vermelha mais incendiante do mundo, que ele não vira mais o diabo.

As mãos estarão possuídas pelo desejo de apertar sofregamente o controle remoto, independentemente do Brasil jogar ou não. Seu bofe predileto vai torcer para Camarões, não empanado, vai virar sueco se for importante a vitória para a nossa próxima rodada, vai vibrar com a derrota da França, mesmo que sempre tenha dito que ela era sua segunda pátria no coração.

Ele vai ver todos os jogos, todinhos, até os que não fazem diferença alguma para a nossa seleção. Vai tomar muita cerveja, vai arrotar tudo que tem direito, vai vestir a camisa da seleção, mesmo suadíssima, vai colocar bandeirinhas no espelho do carro, vai se lixar para sua TPM. E agora mulher? Você nem é José pra dizer a festa acabou! Tá só começando.

Aprenda a gostar imediatamente de futebol. Como? Não imagine homens grandes correndo atrás de uma bola. Imagine 44 coxas saradas e 22 bundas, fora as dos reservas, técnicos, juízes e até bandeirinhas."

E aí você continua lendo(e vendo aquela foto) aqui.

Jogos de futebol nunca mais serão os mesmos!

3 de jun de 2006

ACAPÔ-SE DUDO!


Acapô o plussa e acapô a ticionárria! Essa cato é uma metido! Eu nem pode pensar no fotocrafia!

Dexa para lá! Famos fer os palavras nofas ta ticionárria:


PIÇAR - (v.) - Caminhar no grama, caminhar no calçada; Ex.: Non piça no minha crama, vagapundo! 2) (g.) – Piçar no domate, icual a facer cacada.

PIZICLETA - (s.f.) - Meio te transporte te tois rodas, com traçom humana. Tem petais e coreia.

POI - (s.m.) - Touro castrado, sem saca. Sem saca, non trepa. Non trepanto, encorta. Corrdo, é matado com mareta.

POLZA - (s.f.) - Pjeto que serfe para carecar fários coisa. Tem fários dipos: polza te mulher, polza para lixo, polza te subermercato e polza te açons financerras (que non sei o que é).

REBUCHO - (s.m.) - Eveito ta maré, depos te pater no praia, os ontas foltam para o mar.

TIARÉIA - (s.f.) - Distúrpia dos tripas. Muido comum para quem come panana com gachasa e toresmo com chimaron, ou pepe pia xelada com linqüiça quende. É ton ruim o tiaréia, que teixa o xente suato e amarelo. O xente diz pros mais índimos: tô mixando pelo punta, rapaiz!

XAROBE - (s.m.) - Remédio cheralmente feito te ervas ou com mel e agrion. Muito inticado nos resvriados vortes, com muito tosse. 2) Indívituo chato, que costa te imbortunar, ou alco que não se coste. Ex.: A rádio ta Frida só toca música xarobe!

XOTA - (s.m.) - Técima letra to alfapeto.

XUNTO - (adj.) - Acompanhado te alco ou alquém. Vacer algum coissa com alquém. 2) - (v.) - Ato te xuntar alcum coisa. Ex.: O Fritz xuntô a carta do paralho ta chon.

ZIM - (ex.) - O que diz pessoa que concorrda, aceida, teixa. Pessoa que sempre diz zim é conhecida por concortino.

Texto recepida pelo Índernet, sem a indicaçon de autorria. Eu aranchei alcuns balafrinhas que estafam esquissitas temais para alemón.

Sape que focê dem razón! Das ves barece alemón, das ves barece durca!