TRANSLATOR( BLOG OR POST)

31 de ago de 2005

'IRETO 'O 'ARAU!

Eu não resisto e transcrevo uma das criações que apareceram no sarau da Nóvoas(http://www.novoaemfolha.com ).

Acho que entre tantas graças sem graça e às vezes até de gosto duvidoso, sobre essa crise, este é mais ou menos o resumo. Com muita graça.


O POEMA DO FANHO(O 'OEMA 'O 'ANHO)

'inha 'miga 'hristiana
'u 'dorei 'eu 'arau
'en 'anta 'ente 'acana
E 'ada 'erso 'egal!

'ou 'alar 'rá 'odo 'undo
O 'ue eu acho de 'rasília:
É uma 'orja de 'afados,
De 'achorro, uma 'atilha!

Eu 'enso 'ue 'oda 'essoa
'eja 'olítico ou 'ão
'eve ter a 'alma 'oa
'em CPI, 'assação.

Eu 'inha 'anta 'oesia
'rá 'olocar 'o 'eu 'log
Mas 'ensalão, e 'PI
'ssa 'ente só me 'ode!!!

"ó não 'osto do 'ue 'ejo
No 'osso 'uerido 'rasil
'uita 'aca e 'ouco 'ueijo
'a prá 'uta 'ue 'ariu!

'á 'om, eu 'ão 'alo 'ais
'alavrão, 'ê me 'esculpa
'omo as 'essoas 'ormais
'deio esses 'ilhos da 'uta...

(Paloma Dawn)

MANDE OS VELHOS EMBORA!


Mouses, cabos, monitores, gabinetes, placas...Aquele amontoado de cacarecos, sobras de quando você melhorou seu computador estão ocupando lugar demais na sua sala, na sua estação de trabalho, nos armários de seu apartamento, na sua casa?

Sei, você ia vender. Mas o tempo foi passando e o valor não compensa sequer a pesquisa ou o tempo que você iria gastar.

Entre neste site e descubra como esse" lixo" pode ajudar pessoas que têm nenhuma ou pouca condição de entrar no mundo da informática: http://www.cdi.org.br

Segredinho: A natureza não gosta de espaços vazios!

Quando você se livra de coisas velhas, em desuso, que só ocupam lugar, logo, logo, algo novo ocupará o espaço criado. Acredite! Experimente! Isto funciona com tudo. Com aquela capa de chuva e aqueles sapatos que até criaram mofo. Com aquele livro, que você prometeu reler, mas a promessa se perdeu há uns dez anos. Funciona com aquelas roupas, que entra estação sai estação, ficam dobradas no armário. Passe prá frente!. Renove a energia que está perto de você! Crie espaço para a chegada de coisas novas!

30 de ago de 2005

A SALVAÇÃO DA LAVOURA


Tem algum lugar do Brasil precisando de chuva? Podem me chamar. Ela me acompanha. Basta eu ter de sair de casa e ela cai impiedosa. No cardápio tem chuva mansa, chuva miúda, chuva torrencial, vendaval molhado, enxurrada e outras variações.
Olha o dia que eu escolhi para melhorar um pouco o que estraguei com chocolates e essas coisas que dizem que não fazem mal à pele. O primeiro dia da volta do frio. Com sua noiva a chuva, claro!
Saio de mangas curtas com um casaquinho leve no banco do carona. A tecnologia da previsão do tempo é bárbara, mas é previsão. Só isso. Se a chuva chegar antes do prazo estou prevenida. Não gosto de passar frio. Acho que ninguém gosta.
Saio lépida e fagueira(estas duas palavrinhas sempre estão de braços dados, assim como fria e calculista, reparou?) e atravesso a cidade em busca daquela mágica quase carniceira, que sempre me castiga e me xinga pelos excessos ou faltas contra a pele.
Antes da metade do tratamento ela chegou. Com uma trovoada de tremer o prédio. E eu torcendo prá ela parar antes que eu pegasse a estrada. Que nada!
Como a distância é mais ou menos de 35 quilômetros até eu chegar em casa, ela veio me acompanhando. Era sempre a nuvem seguinte que caía em cima de meu carro. Ele agradeceu, porque assim toma um banho há muito desejado, mas eu sou posta à prova no volante. Quase paro em busca de abrigo, mas a fome saiu ganhando.
Ufa! Como diz uma amiga: Como é bom ter um lugar prá onde voltar!
Mas olha que belezura eu fiquei depois de todos os apertões e cremes, vapores, massagens e máscaras!

28 de ago de 2005

ALCOÓLICAS II


Também são cruas e duras as palavras e as caras
Antes de nos sentarmos à mesa, tu e eu, Vida
Diante do coruscante ouro da bebida. Aos poucos
Vão se fazendo remansos, lentilhas d'água, diamantes
Sobre os insultos do passado e do agora. Aos poucos
Somos duas senhoras, encharcadas de riso, rosadas
De um amora, um que entrevi no teu hálito, amigo
Quando me permitiste o paraíso. O sinistro das horas
Vai se fazendo tempo de conquista. Langor e sofrimento
Vão se fazendo olvido. Depois deitadas, a morte
É um rei que nos visita e nos cobre de mirra
Sussurras: ah, a vida é líquida.

27 de ago de 2005

ANOTOU?

Tem acentos demais, as mesmas letras com sons diferentes e muitas outras coisinhas que enchem a paciência de qualquer estudante, mas, poxa, essa tal língua portuguesa também pode ser aprendida de tanto estudar. Ou não?
Desculpe se ofender, mas antes de estudar inglês, francês, italiano, melhor estudar a língua dos teus pais, da tua terra; antes de usar temos estrangeiros melhor aprender onde usar palavras sem fazer papel de ridículo.
Por que um jornalista, que eu não conheço e nem vou citar, de quem não tenho referências, faz mau uso de uma expressão tão fácil de errar por quem não tem lá essas familiaridades com a língua (nenhum trocadilho, acredite!)? Mas ele tem essa obrigação. Ele estudou para escrever, então que escreva certo, pelamordedeus! Que confira no dicionário; que pergunte ao colega; que reveja as gramáticas que tem em casa.
Hoje em dia eu me permito uma posição mais relaxada em relação a escrever, com algumas concessões, abreviaturas inventadas na internet, palavrinhas até não muito bem colocadas, para fazer alguma graça, sem nem sempre conseguir, é verdade. Mas por muito tempo eu vivi e sobrevivi de escrever e corrigir textos, correspondências, teses, relatórios e tudo o que se possa imaginar que exige uma secretaria, uma coordenadoria e uma auditoria. Muitos dos chegados a uma expressão latina sem saber seu significado passaram pelos meus olhos. Eu perguntava como quem não quer nada, se não gostariam de substituir por igual expressão em português. "Mas assim enfeita o texto!"
Enfeitar um texo é escrevê-lo com correção, com ritmo, com a pontuação correta, com as maíúsculas nos devidos lugares e assim por diante, ora, faça-me o favor!
O jornal é sua fonte de cultura? Parabéns por buscá-la, mas se quiser ser culto e não apenas informado, pare de ler só jornal! Tem muito blog por aí que dá um banho em muito jornal dito bom, mas isto é outra conversa.

A pérola de hoje é usar de encontro ao quando quer dizer ao encontro de.

Ir ao encontro de é estar de acordo, é ser favorável;
ir de encontro a(o) é ser contrário, não concordar.

Um jeito fácil de lembrar?
Ao encontro é abraçar;
de encontro é detestar.

Então, senhor jornalista, melhor ir ao encontro de algum livro para não ir de encontro ao que realmente quer dizer a quem o lê.

E passe muito bem!

EU VIVI

Alguém pergunta surpreso
sobre as rugas de meu rosto,
sobre as marcas tão profundas
até há pouco inexistentes.
Como se o tempo as tivesse
colocado em mim
num golpe de vento.

Amei, respondo contente!

(em 10/05/2004)

17 de ago de 2005

VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA ISSO?


Eles são lindos e eu amo todos eles. Não chamo de filhos. São gatos. Meu filho também é um gato, mas esta é outra história. Meu compromisso com eles é de dar amor e, no mínimo, tudo o que é necessário para que sejam saudáveis.

Ir dormir só duas horas mais tarde que o habitual. Acordar às duas da matina com os miados de Bambina, que acorda assustada da sedação e meio perdida-ela sentiu mais os efeitos. Levantar duas horas mais cedo que de costume, porque eles reclamam comida. Eles ficaram sem comer desde ontem. Isso é o mínimo, enquanto a ressaca da sedação vai embora. E ainda passar o dia preocupada porque Bambina não come, não bebe água e só dorme.

Saibam também os potenciais donos de gatos, que a profilaxia dental deles custa o mesmo que um perfume, que uma calça, que uma camisa social, que uma bolsa e outros luxos. (Morar aqui no fim do mundo tem a vantagem de não precisar renovar o guarda-roupa com muita freqüência. Ainda bem!)

Isto não é reclamação. É um alerta para quem vai colocar um animal em sua casa, em sua vida. Eles exigem e têm direito a serem bem tratados. Eles têm direito a deixarem você morrendo de medo cada vez que são anestesiados. Direito a dormirem no seu colo quando tudo o que você quer é ler um livro ou ver televisão sossegada. A ficarem empoleirados no seu ombro enquanto você anda pela casa. A desarrumarem suas coisas. A miarem sem parar enquanto você preparara seu almoço. A quebrarem vasos e plantas. A tomarem seu tempo esteja você cansada ou não. A ficarem no seu colo enquanto você digita mensagens. Eles têm direito a ter areia sempre limpinha para suas sujeirinhas. A não gostarem da comida que você compra. A estraçalharem seu coração quando se forem, como fez Sacha há um ano atrás, depois de viver comigo por mais de onze anos.

Esse abusado da foto é Orfeu, que voou da janela do quarto andar, sobreviveu, passou por três cirurgias na perna e agora só tem seis vidas. Que ele aproveita muito bem dando atenção e carinho como só ele! E pedindo também, que é gato, mas não é bobo.

Se você viaja muito, não tem tempo, nem paciência, nem dinheiro prá gastar com bichos, compre um bicho de pelúcia. É só lavar e pendurar prá secar! Já os gatos...

14 de ago de 2005

ACHADOS E PERDIDOS (Ou esquecidos!)


A última caixa de mudança a ser aberta foi a de papéis. Coisas escritas há algum tempo. Com pretensão de poesia.

Honestamente, minha memória não consegue trazer o inspirador dessa retórica, mas como diz Jabor, quando a mulher esquece, esquece mesmo. Passa pela rua e nem te reconhece. OPS!





A orquídea, fotografada por mim, é sobrevivente do ciclone.


O que foi escrito em 01.02.1994



O alvorecer de minha quarta década
me põe de pés no chão
e eu perco minha visão romântica.

Meus quarenta anos
me apanharam
no contra-pé
de uma paixão pouco vivida.

Meu crédito junto à vida
não me satisfaz.
Mais me deleitaria
zerar este saldo.





Prometo que no próximo domingo volta Hilda Hilst e suas Alcoólicas.

11 de ago de 2005

NÉ, QUERIDINHO?

Homem ou mulher, não importa. Você está em uma discussão, defendendo seu ponto de vista, com calma, com argumentos baseados em uma porrada de coisas que você já leu. Aceita as falas de todo mundo, ouve com atenção, concorda com muita coisa, de outras você duvida um pouco, mas respeita o ponto de vista alheio e alimenta a discussão com perguntas, pede mais exemplos, esclarecimentos e coisa e tal.

Você está numa discussão inteligente, lembra? Eu gosto de aprender. De falar também, mas muuuuuto mais de perguntar, filtrar das respostas o que me parece plausível e verdadeiro e filosofar a respeito. Ou deixar entrar por uma orelha e sair pela outra. Mas tem que deixar todo mundo falar, que se for prá falar sozinho, melhor ser padre no púlpito!

De repente, assim sem mais, aparece aquele cara. Aquele cara que você só está querendo deixar informado, aquele mesmo que até já disse coisas muito interessantes, que contribuíram para deixar o" assunto em pauta" mais inteligente, mais dinâmico e curioso; aquele cara que você nem quer convencer de nada(você e outras pessoas estão falando sobre o que ouviram, leram ou deduziram).

Esse mesmo cara larga uma pedra em tudo o que você montou como evidência, e prova que não deveria estar nessa roda. Ele tem uma crise interior por não ter argumentos e é acometido de diarréia mental: "Tá bom, tá bom, não vamos brigar por issso, né querida?"

Isso é o mesmo que dizer: "OK, fui bonzinho com você, ouvi você até agora, você até que é muito queridinha, adoro você, mas agora chega! Eu não acho você inteligente, não me torra e deixa que nós, seres superiores sabemos do que estamos falando".

Tem também a outra versaão. Você conversa com duas outras pessoas e uma delas explica à outra o que você "tentou" dizer. "Eu acho que o que ela está tentando dizer..." e desfia a mesma coisa que você acabou de dizer, mas em liguagem que ele acha que você não entende (mediquês, economês, informatiquês,...).

Essa condescendência gratuita é humilhante em todos os sentidos. E ofensiva. O cara fecha a discussão, fecha portas e janelas e você, para não ser indelicada(coisa nada difícil desde que eu sou tiquitiquinha assim, ó!) fica mais muda que pedra de estrada. Alguns solidários até tentam prolongar o assunto, mas a vela perdeu o vento.

O cara manda você calar a boca! Pode? E aí, por uns instantes, você se sente como se estivesse na casa de alguém sem ser convidada, ou vestindo roupa pelo avesso, ou com o traseiro borrado, ou coisa assim.

Mas com pessoas assim não haveria forma de convencimento, já que têm as suas verdades sob parafuso e cadeado, então, tudo bem, não vamos brigar por causa disso, né queridinho?

9 de ago de 2005

MANHÊÊÊ!!!!!!


Chove aqui. Chove, não. Despencou o céu.

O mar sumiu da vista. Só se sabe que ele existe porque faz muito barulho. Estou a quase duzentos metros dele e é assustador pensar em alguém perdido nessas águas tão barulhentas.

Sumiram os morros, as ruas, as pessoas, os carros. Deve ser assim como eu me sinto agora, neste isolamento e onde só se ouve o vento, a chuva e o mar, que se sentem aquelas pessoas que vivem em ilhas isoladas a centenas de quilômetros da costa, ou nos pólos.

E chove! Meu Zeus, como chove. Desde 11:00 horas sem parar. Venta fortíssimo. Para não escorrer água pelas beiradas da janela, fui obrigada a baixar as persianas metálicas. Então estou no escuro, de luz acesa. Por enquanto a energia resiste, mas, gata escaldada, já coloquei minha lâmpada de emergência para carregar até o limite.

O computador pisca e me assusta. A cadeira sente o impacto que vem do chão, lá embaixo, quatro andares abaixo de mim, e treme levemente. O monitor também.

Eu adoro a natureza e só não me meto a andar nessa chuva para ir ver o mar, porque eu não sou assim tão louca, mas deve ser incrível olhar aquelas ondas imensas a poucos passos.

Se amanhã eu não der sinal de vida, das duas uma: ou eu decidi desperdiçar o calor do banho que acabei de tomar e fui lá fora me congelar, ou algum poste de condução de energia elétrica não agüentou tanto vento.

Mandem um caiaque e um remador!

(A foto foi tirada hoje de manhã, enquanto a vidraça agüentava a força do vento.)

8 de ago de 2005

Esse é prá Comer Escondida

Gilda (http://cozinhadagigi.blogspot.com) , você pediu e está aqui, especialmente para você divulgar no seu blog.

Bolo de Aipim

Ingredientes

3 xícaras de açúcar
4 ovos
3 colheres de sopa de margarina
3 xícaras de aipim ralado ou processado e espremido(coado num pano), cru, sem o fio duro do meio do aipim
1 colher de farinha de trigo
100 gramas de coco ralado sem açúcar
1 colher de chá de fermento em pó

Modo de Preparar

Misture bem o açúcar, as gemas e a margarina. Depois junte os demais ingredientes. Por último, misture as claras em neve com suavidade.
Coloque para assar numa forma untada média ou grande, em forno médio alto, pré-aquecido, por, pelo menos 40 minutos ou até dourar.

Esse bolo num dia de chuva e frio como hoje é uma perdição!

Dia Nacional do Mau Humor

Segunda-feira, né? Argh? Eu gosto dela (acesse o post sobre esse gosto estranho clicando no link do meu fotolog).

Se o azedume de um colega ou amigo vai além da segunda-feira, dura a semana toda, se tudo prá ele merece cara feia, se ele aparece prá trabalhar como que vai a campo de trabalhos forçados na Sibéria, se ele parece e está sempre triste, desanimado, sem pilha...você pode ajudar!

Repasse prá ele e prá quem mais você quiser esse endereço e ajude-os a melhorarem sua vida.

http://www.abrata.com.br

Mau humor constante pode ser sinal de doença e doença a gente trata e cura. Distimia e depressão podem morar na mesma casa ou serem vizinhas.

O bom da vida é ser feliz!

7 de ago de 2005

ALCOÓLICAS

ALCOÓLICAS

I

a Jamil Snege

É dura a vida. Alça de tripa e metal.
Nela despenco: pedra mórula ferida.
É crua e dura a vida. Como um naco de víbora.
Como-a no livor da língua
Tinta, lavo-te os antebraços, Vida, lavo-me
No estreito-pouco
Do meu corpo, lavo as vigas dos ossos, minha vida
Tua unha plúmbea, meu casaco rosso.
E perambulamos de coturno pela rua
Rubras, góticas, altas de corpo e copos.
A vida é crua. faminta como o bico dos corvos.
E pode ser tão generosa e mítica: arroio, lágrima
Olho d'água, bebida. A Vida é líquida.

Hilda Hilst- 1989

(de um dos 200 exemplares autografados, oh, graça!)

6 de ago de 2005

NÃO, OBRIGADA!

Educadamente, como manda Rita Lee: Não, obrigada!
Obrigada, acontece que eu não gosto:
- de Jorge Amado(gosto de Zélia);
- de Paulo Coelho;
- desses livros de ajuda espiritual escritos para ganhar dinheiro;
- dessa música sertaneja que está na moda(gosto de ouvir, de vez em quando, aqueles caipiras verdadeiros);
- de barulho desnecessário;
- de poetas de rima fácil;
- de música no mais alto volume (em casa ou no carro);
- de gente que pergunta demais, que se faz íntima assim que me conhece;
- quem pensa que eu só gosto de livros(pode me dar outras coisas de presente);
- que me acordem. Deus me livre puxar a cortina com força, jogar claridade na minha cara e dizer: Ó, que dia lindo!
- de vizinhos inconvenientes e barulhentos;
- de visita que chega para almoçar assim que você terminou de arrumar a sala e a cozinha;
- de promessas;
- de gente que quer me converter;
- de gente que só reclama e não faz nada prá mudar sua vida;
- de quem é esnobe e se acha melhor porque tem saldo bancário;
- de gente que anda de carro na praia;
- de quem maltrata e abandona bichos;
- de quem cria passarinho em gaiola;
- de quem acha que é expert em tudo;
- de choro de criança;
- de gente invejosa(vai trabalhar!);
- de telefone tocando até ficar rouco;
- de gente que só usa gerúndio(a sra vai estar fazendo...);
- de quem usa as pessoas para se promover;
- de quem nunca vestiu uma camiseta furada;
- de quem posa de cristão e tem preconceito religioso;
- de quem classifica as pessoas pelas escolhas sexuais que têm;
- de quem é servil;
- de quem não se melhora;
- de foguetes;
- de quem usa perfume demais;
- de quem fala alto demais;
- de quem se aproveita dos outros;
- de guerras;
- de gente que se esforça prá ser burra;
- de quem não sabe receber amor;
- de quem só pensa em dinheiro;
- de quem não tem tempo para ler uma poesia por ano;
- de quem vive cobrando atenção;
- de quem não tem coragem de mudar sua vida(está há 30 anos na mesma empresa, reclamando e não sai);
- de quem só diz o que os outros querem ouvir;
- de quem só lê jornal e se acha erudito e especialista em tudo;
- de quem humilha e agride;
- de quem está muito preocupado em saber se o homem é mais inteligente que a mulher;
- de quem só faz piada da desgraça alheia;
- de quem vive dando palpite sobre a aparência dos outros;
- de quem enche minha caixa de mensagens de charges, piadas e críticas sobre política;
- de quem não tem dinheiro para um livro, mas enche a pança de cerveja e churrasco todo final de semana, com um monte de convidados;
- de quem prefere fazer tudo a ensinar, para não perder tempo;
- de quem se acha guru de seus subordinados;
- de quem não gosta de flor;
- de quem não gosta de nada!
A lista é grande, sim, e a lista de coisa que eu gosto é maior ainda.
Ah, faltou dizer que às vezes eu não gosto de mim. He! He! He!

O DIA COMEÇA BEM

Olhei pela janela e vi um grande barco de pesca chegando.

MMMMMM, hoje a criançada da praia vai comer bem!

4 de ago de 2005

Torta de Banana

Depois de testar e estragar muita farinha, descobri uma receita de torta de banana que é o seguinte!
Passo e recomendo. Escrevi acrescentando algumas dicas que são importantes para motoristas de fogão desavisados.
Lá vai ela:

Torta Fácil de Banana


1 xícara e meia de farinha de trigo
1 xícara e meia de açúcar (substitua por adoçante de mesa, se for o caso, na proporção indicada na embalagem, equivalente a esta medida de açúcar)
3 colheres de sopa de canela em pó
3 ovos
1 colher de chá de fermento em pó
3 colheres rasas de manteiga em estado líquido
4 ou 5 bananas médias maduras
1/2 copo de leite


Modo de preparar


Primeira fase

Misture todos os ingredientes secos muito bem. Reserve.
Separadamente, bata os ovos com a manteiga derretida(não ferva a manteiga) e o leite morno.
Descasque e corte as bananas em tiras de mais ou menos meio centímetro.
Unte a forma ou pirex em que vai assar a torta.
(Tempo estimado para preparação da fase: 20 minutos)

Segunda Fase

Coloque no fundo da forma uma camada da mistura seca. Sobre ela coloque uma camada de bananas. Sobre as bananas coloque a mistura de ovos, leite e manteiga, às colheradas, até encharcar a camada de baixo.
Vá enchendo a forma até um centímetro da borda, alternando as camadas. A última camada deve ser de ovos e manteiga.
Você também pode colocara uma camada de bananas e outra da mistura seca e só no final colocar toda a mistura de gemas e manteiga.
Sobre a última camada pode ser polvilhado um pouco de açúcar e mais canela, a gosto.
(Tempo estimado para a preparação das camadas: 15 minutos)

Terceira Fase

Leve ao forno já aquecido. Mantenha a temperatura entre 210 e 240 graus(médio alto) até dourar. Baixe a temperatura. Vá testando com um palito para ver se o centro da massa está firme e assado.
Se o fundo da massa ficar escuro e a parte de cima ainda não assou, suba a forma para a grade superior para não queimar.
Se quiser pode bater as claras em neve com 6 colheres de açúcar e colocar sobre a última camada, depois que a torta estiver assada e levar ao forno para dourar.
(Tempo estimado para assar: 35 a 40 minutos, dependendo do tamanho da forma e espessura das camadas.)

Pode ser servida quente, fria ou gelada. Também pode ser congelada. Não deve ser preparada em forno de microondas.
Use o espaço dos comentários para tirar alguma dúvida.